Tag: Portugal

A irresponsabilidade vai nos sair da pele

Num cenário em que Pedro Passos Coelho continuasse a governar em 2015, como o resultado das eleições legislativas assim o exigia, parte das reformas que o seu governo não fez quer por bloqueios das forças socialistas do Tribunal Constitucional, ou até por força do pragmatismo de resolver primariamente o problema financeiro, restabelecendo assim o normal funcionamento do acesso aos mercados por parte da República Portuguesa e por conseguinte a nossa credibilidade internacional, para depois, num governo próximo, o que não se tinha feito era negociado com um PS que se queria responsável e respeitador do voto do povo português. Aconteceu o que Passos queria, ganhou. Mas não governou, a pedra no sapato  impossibilitou a continuação de reformas estruturantes por parte do seu governo e ditou o fim da implementação das ditas reformas estruturais até porque, o governo Costa governa por paliativos e por remendos, nunca numa visão integrada e estruturada de como o País deve crescer, mas sim como aproveitar a onda de crescimento que já vinha de trás para distribuir rebuçados.

Começa aqui então a diferença entre Estadistas e Estatistas. Entre quem tem uma visão de libertar os portugueses de um Estado sugador e mau prestador de serviços básicos, dando sempre primazia a quem cria riqueza e portanto sustenta o erário público, com um homem que só pensa nas suas clientelas, nos seus amigos, em realinhar as tropas para reconstruir o sonho socialista de transformar o Estado Português de vez numa quase sucessão divina em que o PS é o Partido inimputável e que faz o que quer, passando as culpas para outras entidades que não ele pois este nunca gere uma crise de modo decente. Guterres não geriu o seu pântano, Sócrates chamou o FMI mas logo foi derrotado em eleições legislativas. A direita governa em Portugal com o programa dos outros, sempre com condicionalismos de maior, mesmo que tenha perspectivas programáticas, não as pode aplicar no seu todo pois tem que “limpar a casa”, que outros teimam em sujar.

Um ciclo vicioso e nada virtuoso que dá credibilidade à direita por um lado, pode-se contar com ela para situações difíceis, mas não existe possibilidade de construir um projecto comum e diferente do PS pois o eleitorado que a direita podia conquistar, está anestesiado pelas crises que esta gere e que as pessoas pensam que é a direita que as faz, pois uma coisa é apresentar a crise, outra é gerir uma crise, uma coisa é dizer que te vou ao bolso, outra é ir efectivamente ao bolso. E quando se toca no bolso do povo português, mesmo que não tenhamos culpa do sucedido, a incompreensão aumenta. Tudo devido à cobardia do PS em chegar-se à frente, quando o momento é complicado e ainda por cima causado por ele.

E claro, mais uma vez estamos assistir ao mesmo filme e até com personagens rigorosamente parecidas. Quando grande parte do governo Costa é Socrático, ou ex-ministros de Sócrates e até o próprio Costa foi, no primeiro mandato de Sócrates, temos aqui muita experiência acumulada de como quase falir um País. Caras novas e inovadoras? Zero. Um governo que representa políticas sujas e velhas do passado, com os mesmos vícios que nos vão, desculpem a falta de tacto, entalar a breve trecho. É só olhar para os números desta tabela que vos apresento do Banco de Portugal:

Divida publica.png
FONTE: Banco de Portugal, Estatísticas Online

Em 3 anos efectivos de governo Costa e associados, a dívida pública em valores absolutos, aumentou de 231,526 mil milhões de euros para 251,476 mil milhões de euros, quase 20 mil milhões de euros de aumento. Se ouvir, até nos jornais de referência, que a dívida pública baixou, a verdade anda pelo meio. Baixou a percentagem, o rácio, pois o montante de dívida cresce, mas a economia também, o que “come” esse aumento em valor absoluto. O desafio de Mário Centeno e António Costa é explicarem ás pessoas, como estão agora a começar a fazer aos poucos, que quando não há dinheiro tem que se apertar o cinto. Um desafio importante para o PS aferir a sua capacidade de grande partido nacional- Gerir a próxima grande pré-bancarrota causada por si.

Desenganem-se quem pense que a dívida pública descerá, em valores absolutos e de forma sustentada, nos próximos anos, sem uma política orçamental com cortes estruturais na despesa pública e uma economia a crescer de forma saudável. A política de Centeno e Costa é aumentar a despesa para futuro baseando-se sempre numa arrecadação fiscal cada vez maior. Um erro de principiante crasso que nos custará a pele, e que a próxima recessão nos dará as boas vindas em desconstruir o castelo de cartas frágil da dupla mentirosa que temos ao comando, para nossa infelicidade. E, quando essa recessão chegar, a dívida, o grande bolo, estará lá, e estará pronta a galopar em percentagem até ao Evereste.

Dou um conselho final a Costa e Centeno: Peçam conselhos ao Sr. Tsipras, de facto o Syriza é o caminho a seguir, não é Costa?

Mauro Oliveira Pires

Qualquer dona de casa gere melhor o País que um Político

Em Portugal temos um problema que se estende ás ex-colónias portuguesas, especialmente Angola e Moçambique(realidade que conheço bem), além do “nacional porreirismo” que se conhece, ou seja, do “vipe” normal que vamos mudar meio País e depois ninguém se mexe e quando se mexem existem sempre intrigas em sectores que deviam estar unidos contra o socialismo de António Costa, digo os liberais, outro problema é o grau de competência dos deputados que metemos na casa da “democracia”. Muitos dos deputados portugueses, da esquerda à direita, só conhece o trabalho de partido, das juventudes partidárias, das “portas giratórias”, que começa na camaradagem das universidades onde os filhos dos ministros e das grandes famílias do regime começam à busca dos “contactos” e das “cunhas”, que depois lhes permitem ascender aos cargos certos deixando os competentes por mérito de fora.

Isto infelizmente é o retrato de um País que é parecido e corrobora com as atitudes de António Costa e, secalhar, por isso muitos se identificam com as “manobras”, “habilidades” e “manhas” do Senhor Costa Primeiro-Ministro não eleito em 2015. O povo português, em geral claro, é conhecido pelos jogos que faz para fugir dos deveres mas tem sempre a garganta pronta para reclamar direitos. Pela óptica portuguesa, primeiro vem os direitos e depois os deveres quando é precisamente o contrário que forma o pilar do crescimento e florescimento de sociedades ricas e prósperas da Europa Anglo-Saxónica e do liberalismo por convicção estaduniense.

É esse chico-espertismo lusitano que se estende à política, afinal, os políticos são por norma o retrato do povo, por mais que isto seja sempre, e leiam com olhos de ler, generalizado, porque ainda existe o bom e honrado  povo português que trabalha, cria riqueza, leva com calotes dos fornecedores que fazem muitos a vida de rico, e fica o empresário desesperado de mãos à abanar, com facturas por pagar e, como não podia deixar de ser, uma máquina fiscal implacável que tortura os micro e pequenos negócios deste País, que “gritam” por falta de capital e custos de contexto mais baixos, quando este governo faz precisamente o contrário, aumenta os custos de contexto como os combustíveis, faz jiga-jogas com IVA da electricidade(baixe-se a potência, dizem eles) e ainda acabam com a reforma do IRC, essencial para o empresário gerar projectos com estabilidade e daí gerar emprego.

António Costa e a trupe que o apoia nunca geriram um negócio, nunca trabalharam no sector privado, esse terrível sector que faz urticaria a muitos mas que paga o maior volume de impostos que sustentam os vícios de muitos. Muitos dos senhores deputados não conhecem sequer a realidade do País, dizendo barbaridades para o vento levar no mar salgado que nos corrói as carteiras até ao ínfimo. Vão directamente das “fornadas”, para o mundo das gravatas, da burocracia e dos acampamentos alternativos(olhe se para o Bloco). Caso que Mariana Mortágua e sua fiel irmã Joana, entre outros, como muito bem lembrou Helena Matos no Jornal O Observador, começam a ser expoente máximo. Digo, como é que duas raparigas sem experiência, estaleca, enfim, sem queimar pestanas nas dificuldades da vida, querem ser ministras que cujas características do cargo exigem termos técnicos importantes?

O pior disto tudo é que as meninas do Bloco não QUEREM, elas EXIGEM ser ministras um pesadelo que António Costa de certeza quer e sabe que o País não pode ter, afinal, em tempos de crise Costa precisará de efectuar reformas e reduzir o volume salarial da função pública, com o Bloco será impossível tal acto. E nem António Costa o fará tão depressa, agirá com certeza em modo Sócrates 2010 e 2011 com medidas pontuais e com a cartilha da crise internacional. Facto é que maior parte dos Países europeus preparam se para uma nova crise internacional com dívidas públicas a descerem consistentemente com excedentes orçamentais, caso que Portugal está longe de ter pelo menos de modo estrutural.

Sim, uma dona de casa, com experiência claro, gere melhor o País que António Costa, Rio e os seus exércitos de tachistas. Facto.

Mauro Oliveira Pires

Quando os filhos não querem a herança dos pais

Em Angola, o novo chefe de governo, quer encarcerar aqueles que ao longo de anos, e a coberto de altas patentes do regime, andaram a roubar despudoradamente, o erário público, e o seu próprio país.

Por cá, vamos em absoluto sentido oposto: os nossos chefes do governo e da nação, andam a despedir aqueles que andaram a tentar encarcerar as hordas de ladrões e corruptos, que durante anos a fio, e igualmente a coberto do regime, no respaldo  de cargos públicos, têm andado a parasitar e a roubar a nação, de forma igualmente e absolutamente despudorada.

No Brasil, presentemente, qualquer cidadão que não tenha uma “ficha limpa” passou a estar impedido de se candidatar a cargos públicos. Por cá, não só se candidatam, como ainda são eleitos e reeleitos. Direitos garantidos na Constituição, dizem eles.

No Brasil, uma presidente em pleno exercício, foi exonerada do cargo, por ter andado a “martelar as contas públicas, e a fazer maningâncias com as execuções orçamentais, com elevados custos, actuais e futuros, para o erário público, para os contribuintes, para as seguintes gerações, e para a nação como um todo.

Por cá, os que o andaram a fazer e os que actualmente ainda o fazem, são aclamados de “governações de sucesso”, e um outro ainda o apelidam de “Mourinho das Finanças”.

Adjectivo esse, que em boa verdade, nos dias de hoje talvez até já seja uma analogia apropriada, dado que Mourinho é actualmente considerado um embuste como treinador, caro, que por onde passa, deixa sempre em herança, o descalabro e pesadas facturas organizacionais e financeiras, para os treinadores seguintes terem que limpar.

Que ninguém duvide, o legado que anda actualmente a ser construído, e que irá ser deixado por Costa e Centeno, é claramente um legado à moda do actual “Mourinho”, que irá ter custos brutais para a nação, e para as seguintes gerações de portugueses. Esta factura, já não é mais uma questão de “Se”, mas somente de “Quando”.

No Brasil, um ex presidente, foi investigado, julgado, condenado a 12 anos, e está já na prisão, a cumprir uma longa pena, e é na prisão que aguarda o desfecho de outros processos em curso, e de alguns recursos pendentes.

Por cá, a maior parte de políticos, governantes e servidores públicos, considerados ladrões e/ou corruptos, ou nunca vão sequer a julgamento, ou os processos arrastam-se ad eternum, ou quando são condenados, são penas suspensas, ou demasiado curtas, das quais nem metade chegam a ter que cumprir, ou então simplesmente continuam a poder andar por aí, em liberdade, a aguardar posteriores decisões sobre os recursos em cima de recursos que o nosso sistema judicial lhes permite, conseguindo por essa via, nunca cumprir pena alguma, até que tudo acaba por prescrever.

Casos há, em que tais ladrões e corruptos, ainda acabam por exigir uma indemnização ao Estado, ou seja, aos contribuintes.

E depois também temos aqueles casos em que indivíduos que estão acusados de dezenas de crimes de corrupção. com a existência de provas claras e fortes indícios, ainda são convidados para andarem por aí nas nossas universidades e fóruns públicos, para darem palestras sobre questões de governação e corrupção.

De tudo isto, três coisas estão cada vez mais claras:

1) Brasil e Angola, os “filhos” deram finalmente conta que a educação, os hábitos, as heranças culturais e os exemplos, que receberam dos pais, não foram propriamente os e as melhores, e já começam a fazer alguns esforços para se libertarem de tão pesada e maléfica herança.

2) Portugal, os “pais”, claramente continuam a não querer mudar de vida, nem de práticas, nem de hábitos, e insistem em ser uma fonte de maus exemplos para os seus “filhos”.

3) Somos claramente uns “maus pais”, e como se isso não bastasse, ainda nos damos ao desplante, de sermos críticos de muitas das boas medidas que os nossos “filhos” passaram a querer adoptar, com os nossos governantes e grande parte da nossa classe política a optar por estar publicamente ao lado da defesa de bandidos e corruptos já julgados e condenados, e ainda acusamos os nossos filhos de “actos de rebeldia” por estarem a tentar libertar-se da miserável herança que como “pais”, nós lhes deixamos.

É sabido que não podemos escolher os pais nem a família em que nascemos, mas podemos escolher livremente não lhes seguir os exemplos, quando tais exemplos não são nada recomendáveis.

Parece-me que Angola e Brasil, estão finalmente a tentar fazê-lo. Mas ao que tudo indica, indo claramente, contra a vontade expressa dos seus próprios “pais”.

Rui Mendes Ferreira

Andam a gozar com o povo de Vila Facaia

Já não bastava esta gente ter sido vítima dos maiores incêndios mortais de que há memória neste país. Já não bastava muitos deles terem sucumbido na tragédia, deixando pais e filhos órfãos. Já não bastava também, e para cúmulo, terem sido roubados nos donativos que lhes foram doados para ajudas à reconstrução das suas casas e negócios, depois dos grandes fogos! Não! Tinham, também, de lhes arrancar o pouco que ficou de pé e lhes vai dando alguma dignidade – se é que isso é possível a quem tudo perde na vida – à sua pobre velhice: o Centro de Dia de Vila Facaia!

É inacreditável! Depois de ver fracassado o seu pedido de doação daquele edifício pela Junta de Freguesia, o Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Pedrógão Grande, de forma unilateral e sem aviso prévio, ordenou o encerramento imediato daquele espaço e transferência dos idosos para a Graça, a 15 kms, alegando que o Centro dá despesa! Mas desde quando é que a assistência a idosos tem por base o lucro? Para que serve o dito Estado Social? Para que raio se desconta e paga impostos neste país?

Acontece que esse edifício foi erguido com donativos da população em materiais, equipamentos e mão de obra há mais de 20 anos. O terreno foi comprado pela Junta de freguesia, presidida à época por João Vaz,  aos populares. Todos na terra sabem disso. Foi com o esforço e vontade dessa gente que se criou aquele espaço indispensável à pequena população muito envelhecida de Vila Facaia. Com que direito, então, a Santa Casa da Misericórdia se tenta apropriar do que não é seu? Com que base legal este Provedor dá início, mesmo assim, a este processo tendo até, tentado proceder à desmontagem dos corrimões na zona de banho dos idosos? Algo aqui não bate certo.

Mas o mais bizarro ainda foi a actuação do Presidente da Junta que, depois de uma emigrante, Manuela Henriques, a residir a 2200kms do país, ter tomado conhecimento do plano do Provedor, e ter pressionado com fervorosa insistência para que impedisse o prosseguimento do processo, a menos de uma semana da data de fecho da unidade, ter colocado um edital anunciando o encerramento consumado do Centro de Dia no próximo dia 30/09! Como é possível a Junta de Freguesia não se ter insurgido contra esta acção, levada a cabo pelo Provedor da Santa Casa, que tudo leva a crer ser uma acção muito pouco transparente? Como pode o Presidente ceder tão facilmente à intenção do Provedor sem luta atempada pelos interesses da população de Vila Facaia, vindo apenas uma semana antes da data de encerramento, num edital, comunicar o mesmo, justificando não ser da sua responsabilidade. Foi apanhado também de surpresa? Só tomou conhecimento da situação no momento em que agiu? Isto não faz sentido.

Este Centro, que tem também apoio domiciliário, é muito mais do que um local onde os idosos passam os seus dias. É uma família. A única maneira de alguns terem companhia e apoio em momentos de aflição quando é por de mais sabido que o interior está completamente abandonado e entregue à sua sorte.

Há aqui qualquer coisa que cheira mal… Aliás, há muitas coisas que “cheiram mal”: seguramente os portugueses merecem melhor: sejam eles do interior, do litoral, do norte, do sul, do centro…ou emigrados: somos portugueses. Merecemos respeito, transparência, honra e dignidade. Compete-nos, a todos e a cada um, exigir o que merecemos. Ou o fazemos, ou somos cúmplices de um qualquer sistema que se foi instalando mas que temos conhecimento que existe: logo, a indiferença não pode ser a desculpa e a inércia não será, seguramente, a solução.

Por isso, já que aqueles que têm o poder fecham os olhos – falta saber porquê – às populações, nós, e em nome do Movimento Cívico que represento, mais uma vez Não Nos Calamos e sairemos em defesa desta gente denunciando, exigindo que a justiça seja reposta indo até onde for necessário para impedir tamanha crueldade contra indefesos.

Cristina Miranda

 

Via Blasfémias

A Falta de Respeito, é coisa de Malcriados, António Costa

Desde a sua tomada de posse, enquanto Primeiro-Ministro não eleito, fruto de arranjos e concubinato de última hora, António Costa, repito, actual Primeiro-Ministro de Portugal, nunca teve um pingo de respeito para com o País que dirige. Portugal pagou os estudos a António Costa, Portugal sacrifica-se hoje a nível financeiro económico para aturar o seu enorme ego e ambição desmesurada, colocando o País à beira do abismo caso o ciclo económico mude e os ventos do Banco Central Europeu sejam contrários aos actuais. António Costa foi visto nas florestas de fato e gravata, não esquecer do casaco verde, andou em actividades lúdicas de fato e gravata e talvez até tenha ido nadar com Marcelo de fato e gravata, mas, como óbvio, a disfunção cognitiva de António Costa, conhecedor dos costumes e do corredor do poder, fez mudar o Primeiro-Ministro de indumentária para uma visita de Estado a Angola que, sendo uma visita de Estado, com representação institucional do Primeiro-Ministro, existe um código de conduta a cumprir, até de ética, mas António Costa está mais preocupado na sua futura maioria absoluta.

É necessário ressalvar um pormenor. O gabinete do Primeiro-Ministro diz o seguinte:

OBS.png
Fonte: Jornal O Observador

Reparem caros leitores, imagine que visualiza a foto deste artigo. Vê o Primeiro-Ministro português- isto custa dizer, sinceramente- e que depois dos lados esquerdo e direito, vê ainda militares Angolanos a efectuarem as posses de honra militar a um indivíduo que, como se vê pelo excerto do Jornal o Observador, nem o respeita e muito menos o tem em conta. Com isto, Costa lesa duplamente a pátria Portuguesa e Angolana: Com a sua vestimenta de festa de sexta-feira e desrespeitando as honras militares de um País aliado, histórico e amigo que faz parte da Lusofonia e do multi-culturalismo português, que respeita as diferenças, as diversas religiões e todo uma panóplia de coisas que parte do Mundo e, até a Europa, já não respeitam.

Assim, caros Angolanos, nós povo Português pedimos desculpa por termos um imbecil e malcriado na nossa governação. O pior disto tudo, é que a ausência de oposição, ou melhor, a sua inexistência, perpetuam a continuação da criatura no poder. Felizmente que Rio já é carta fora do baralho. Passos Coelho que se apresse, porque António Costa está a cair ao nível da javardice.

Mauro Oliveira Pires

Catarina, vá pregar para Cuba!

Cara Catarina, a propósito da sua intenção de criar uma “taxa Robles”, permita-me que lhe diga o seguinte:

Durante mais de duas décadas geri e criei empresas para descobrir que este país é inimigo de quem empreende. Que maltrata todo aquele que tem coragem de investir. Aprendi que para ter as contas em dia é preciso sacrificar fins de semana, férias e família e mesmo assim todos os meses, andar à rasca porque o Estado é o maior caloteiro que existe na economia do país, tornando-a cancerosa. Que quem não foge aos impostos, tem de andar a pedir  aos bancos porque a carga fiscal é tão alta que fica sem margem para trabalhar. Que o banco público não serve sua função, porque não se interessa em apoiar pequenas e médias empresas, só se interessa pelos créditos habitação e empréstimos aos “Grandes Amigos Empresários” do Sistema a quem abre generosamente cordões à bolsa e depois vai sugar os impostos dos contribuintes. Que ser empresário é andar 24h por dia a se estafar para conseguir financiamento e quando o consegue, será em troco de “um porco por uma chouriça”. Que ser empresário por cá é ser-se masoquista, é ter prazer em andar sempre a mendigar, sempre na corda bamba, sempre a fazer contas para não falhar, tirar salário quando calha e mesmo assim falhar, porque falharam com ele. Para no fim, ver o Estado a condená-lo porque falhou, sendo o Estado o causador do falhanço.

Já criaram o Imposto Mortágua do qual, vós capitalistas caviar hipócritas da esquerda, logo arranjaram forma de se isentar. Agora querem uma taxa Robles depois de colocar vosso património a salvo. Porque não vai pregar vossas “maravilhosas” ideias de criação de impostos  para Cuba ou Venezuela que tanto precisam de “mentes brilhantes” para levantar o país da miséria em que o marxismo os colocou e nos deixa em paz?

Já chega de hipocrisia. Já chega de propostas que penalizam seriamente o país. Já chega de ensaios que faz dos  cidadãos, cobaias da vossa ignorância. Não conhece a lei da oferta e da procura? Não é criando e aumentando impostos que se regula o mercado. É aliviando a carga fiscal, diminuindo burocracias, criando estímulos à economia, estabilidade fiscal,  que se cria riqueza e assim  atrair investimento aumentando a oferta. Com mais oferta os preços baixam inevitavelmente. O Estado no seu papel de regulador até podia dar uma ajuda colocando seu património para habitação mais acessível em vez de o ter a cair de podre e vender depois aos “Robles” deste país a preço de uva mijona. O mercado regula-se a ele próprio quando os “assassinos da economia”, como vocês,  saem da frente. E sim, é  com mais riqueza, cara Catarina, que se combate a pobreza e não ao contrário. Porque sem os investidores, não há empregos, não há casas para vender nem alugar, não há bens para consumo, não há porra nenhuma!

Assuma de uma vez que são uns falhados. Que estão no Parlamento sem perceber patavina do que andam a fazer. Que não estão aí para  trazer prosperidade a esta terra mas antes capturar as pessoas na vossa ideologia opressora que aniquila a liberdade individual para a  transformar  numa sociedade fraca e dependente do Estado, que alimenta a vossa ganância  e garante o vosso poder.

Por isso, Catarina e companhia, façam um favor a esta grande Nação e saiam do caminho! Desapareçam! Usem sabão em vez de taxas para lavar vossa cara suja com o caso Robles. Fica mais barato ao país.

Portugal empreendedor, trabalhador e pró-activo agradece!

Cristina Miranda

Via Blasfémias

Lamento mas vou BERRAR!

O Presidente não quer que berremos por Venezuela. Diz que berrar é perigoso e pode pôr em risco os portugueses que lá vivem.  Como se já não estivessem há muito tempo no limite do perigo, a sobreviverem desgraçadamente no fio da navalha. Desculpem-me mas sinto repúdio por estas declarações e por isso vou BERRAR minha indignação!

Não faltava mais nada! Logo ele que não se cala e fala e berra sobre o que deve e não deve, seja a comer na Pastelaria Suiça ou a nadar no rio, vestido ou de calças na mão. E  que por berrar pelos cotovelos sem ponderação nem responsabilidade,  em qualquer sítio em qualquer lugar a qualquer hora, já contribuiu para o caminho sem retorno do colapso financeiro deste país: ao desculpar os incompetentes no governo sempre que há desgraças; ao felicitar pelos “belos” défices martelados; ao elogiar a falsa diminuição do desemprego que não é mais do que o resultado do êxodo dos portugueses à procura de melhor vida lá fora; ao enaltecer os “excelentes” números económicos de umas míseras décimas; ao promover estas políticas de degradação social e económica com base na despesa sem controlo do Estado, aumentos de impostos, roubalheira descarada e cativações criminosas;  ao conotar de “sucesso” esta Geringonça com alicerces comunistas que já destruiu 4 anos de esforços colectivos!

Não se cala nunca, parece uma gralha,  mas silenciou de forma ensurdecedora sobre venezuelanos a morrerem de fome, sobre fazendeiros brancos a serem assassinados na África do Sul por racistas negros, sobre crianças a serem abusadas por padres, sobre cristãos e judeus a serem mortos, mulheres a serem estupradas e  famílias a chorarem a perda dos seus filhos por ataques de islamitas. Mas em contrapartida, quebrou o silêncio para nos informar que era preciso escancarar as fronteiras para receber massivamente jovens migrantes, sob estatuto de refugiados, que não fogem de guerra nenhuma. Porquê?

Também nos disse para não berrar por Pedrógão, não foi? quando denunciamos que era responsabilidade do Estado e não do clima, que havia gente sem receber ajudas, que o dinheiro fora desviado, que as mortes foram muitas mais, que ardia tudo propositadamente para receber fundos perdidos de Bruxelas e resolver problemas financeiros de Portugal.  Mandou-nos silenciar, acusando-nos de aproveitamento político para agora confirmamos que foi esse silêncio que permitiu tanta fraude, tanto saque e  ocultação de factos por abuso de poder de gente sem escrúpulos. Pois é.

Querem o nosso silêncio à força, pois querem,  porque o silêncio é o que mais  convém aos ilusionistas populistas que vendem a todo o custo uma realidade que não existe para cativar  eleitorado. Que fazem da farsa sua aliada na conquista do poder que almejam mais que tudo na vida e por isso mandam silenciar para não comprometer suas “gloriosas” caminhadas rumo à reeleição. Querem o silêncio porque esse, é a arma dos ditadores que não vêm com bons olhos quem se lhes opõe.

Mas eu não vou silenciar. Vou berrar, vou gritar, sempre que houver um populista a mandar silenciar as vozes que o incomodam. Entendido?

Cristina Miranda

Via Blasfémias

Costa não quer luta contra a corrupção

Nunca as coisas foram tão claras como agora, ao tomarmos conhecimento que Costa não colocou na lista a apresentar junto do Presidente da República, o nome de Joana Marques Vidal para o cargo de PGR. E o mais incrível disto tudo é que ele nem sequer disfarça. Podia ter incluído o nome só para “inglês ver”. Mas não. O acto de omitir o nome é uma clara mensagem ao Presidente da sua intenção de não a ver renomeada. Clarinho como a água.

Assim, Costa declara que “não vê” qualquer mérito no trabalho de 6 anos da actual PGR.  É isso mesmo! Portanto, a brilhante “Operação Marquês” que pela primeira vez na história de Portugal coloca no banco dos réus políticos, banqueiros e  ex-governantes como José Sócrates, Ricardo Salgado e Armando Vara entre outros por fraude e branqueamento de capitais; a corajosa “Operação Fizz” contra ex-presidente angolano igualmente por corrupção; o megalómano “Processo Universo Espírito Santo” sobre o maior colapso financeiro registado em Portugal com ligações políticas nefastas para o erário público; e ainda a menos badalada “Operação O Negativo” de que já nem se fala, mas igualmente grave e que envolve o ex-presidente da Octopharma  e o ex-presidente do INEM, num esquema que envolvia a venda de plasma sanguíneo, lesando gravemente o Estado, não são currículo mais do que suficiente para reconduzir esta competentíssima profissional. Não senhor. É “currículo a mais” para o cargo que se deseja ser desempenhado por gente frouxa, “amiga do seu amigo”. Ao estilo daquele que safou Sócrates quando ele era ainda primeiro ministro. Percebem?

É preciso, portanto, chutá-la dali para fora por falta de “perfil adequado”. Porque para governos opacos que gostam de se mover em lodo, transparência, justiça e separação de poderes não interessa nem um pouco. Porque isso torna-se um obstáculo ao “safanço” dos amigos entalados na justiça  e que com uma “Joana Marques Vidal” no caminho, poderão ser uma ameaça, abrindo a boca, levando consigo outros para o banco dos réus assim que perderem a imunidade parlamentar. Estão a ver o problema? Assim,  Mulheres determinadas, isentas e sem qualquer hipótese de compadrio, não são desejadas no meio podre da máfia portuguesa, que ameaça todos de alguma forma, de tantos tentáculos que os ligam entre si.

O problema é que ao não reconduzir Joana Marques Vidal, Portugal perde credibilidade porque está a passar a imagem para o exterior, de que não privilegia o combate à corrupção, antes combate quem lhe faz frente de forma exemplar. Cá dentro passa a imagem de que não existe justiça igual para todos, nem separação de poderes mas sim, arranjos políticos tal como nos países do 3º mundo. É a desacreditação total de uma Nação que se diz democrática mas a toda a hora se comporta como numa ditadura.

O único que pode e deve salvar a honra deste país, é o Presidente da República com o poder de decisão que lhe cabe nestas circunstâncias, de acordo com a nossa Constituição. Será dele a última palavra. E dele, espera-se sentido de Estado que ponha ordem nesta bagunça. Falta saber se será essa a decisão, para dar continuidade a um trabalho louvável e irrepreensível ou se vai deixar que a política tome conta da justiça em Portugal.

Esperemos que a defesa pelos interesses da Nação e não outros, fale mais alto na hora de assinar.

 

Cristina Miranda

 

Via Blasfémias

António Costa é um Ditador

O Partido Socialista seja de António Costa, Sócrates, Mário Soares ou qualquer outro líder da agremiação do largo do Rato, adora brincar com elementos industriais bastante maleáveis, dos quais tem a plasticina como elemento principal. Entende-se por plasticina do PS o regime, a democracia portuguesa, todos nós! O Partido Socialista faz jus ao seu nome, dá se muito mal com a liberdade dos indivíduos, com a nossa liberdade de escolha, pode ter medo que não escolhamos o socialismo- Como diria Thatcher- querendo tapar todos os buracos negros que tem de qualquer forma, usando para isso os instrumentos de regulação de uma sociedade, tendo a Justiça como principal alvo. Controlando a Procuradoria, como controlou no passado, com Sócrates ao comando, Costa passa a ter outro boneco à frente dos destinos da Magistratura. O caminho do PS é sempre o rastejante, o perigoso, o de colocar de mãos dadas a política com a justiça, duas forças opostas que deviam estar separadas por força ética constitucional(e estão).

Um caso que posso falar aqui, é publico portanto, tem como representação um acto que nós em Portugal achamos normal, mas que no resto da Europa é visto como sobreposição dos interesses políticos sobre o judiciário. Claro que o PS abusa de tal coisa, que se chama a “prática do beija mão”, em 2015, António Costa convida Joana Marques Vidal para uma “reunião”, no Largo do Rato onde este com certeza pensava que a senhora Procuradora era mais uma vendida como todos os procuradores nomeados pela Partido Socialista que fizeram o seu trabalho como deve ser, ou seja, distorcer o ritmo normal das coisas no ramo judiciário, virando o jogo a favor de um Partido, algo duplamente lamentável, mas que cuja receita queria repetir. Qual foi a resposta de Vidal? Veja abaixo!

PGR.png
FONTE: DN, de 2015.

Como qualquer órgão constitucional, e com poderes separados do governo, a acção foi a mais correcta, a mais ponderada relegando a batata quente para quem a mandou primeiro. Costa apartir daí teve e constituiu uma guerra fria com Vidal, até hoje. Até ao dia em que a quer substituir por mais um amigo seu e do governo do qual é Primeiro-Ministro não eleito. Um Procurador(a), que abafe os casos dos seus ex-Secretários de Estado do caso GalpGate, alguém que coloque o ex-Banqueiro do Regime livre dos seus próprios actos. Duvido, e aqui tenho sérias dúvidas, se Costa quer Sócrates livre. José Sócrates livre era um perigo, uma espécie de bomba atómica, para os planos socialistas de Costa de poder absoluto. Sócrates sabe demais, talvez este tenha um fim mais condigno com o que fez ao País.

E para reforçar o que acabei de dizer, leiam este excerto do DN de 2015:

PGR II.png
FONTE: DN, 2015

Como podem os prezados reparar, a Procuradora colocou-se à disposição para discutir matérias do âmbito de reformas judiciárias e outros afazeres para melhorar o processo lento da nossa justiça. Costa recusou a audiência, não agendando outra. Uma pessoa que queira debater o estado do País, aceita o convite. Uma pessoa que quer “amarrar”, condicionar, manipular um dos entes judiciários mais importantes do País, faz isto, recusa. António Costa é um ditador.

Mauro Oliveira Pires

 

 

Foi o socialismo que matou a Venezuela

Boaventura Sousa Santos resolveu quebrar o silêncio confrangedor dos marxistas sobre a Venezuela escrevendo uma crónica no Público para totós. Sabendo ele que a maioria dos portugueses é ignorante – não fosse ele professor catedrático na UC e defensor da estupidificação do ensino público onde os alunos lá chegam a pensar que quem escreveu “O Evangelho Segundo Jesus Cristo” foi um dos apóstolos – soltou a caneta que há em si e desatou a escrever “inverdades”, essa nova táctica para lavagem cerebral usada pelas esquerdas. Então não é que, segundo ele e só ele pois a história diz outra coisa totalmente contrária, “A morte prematura de Hugo Chávez em 2013 e a queda do preço do petróleo em 2014 causou um abalo profundo nos processos de transformação social então em curso?” Uau! Assim se dá uma cambalhota aos factos para fazer valer a ideia de que o socialismo de Chavez funcionou maravilhosamente e que Maduro, coitadito, teve apenas uns azares pelo caminho. Nada mais falso.

Muito antes de Chavez, a Venezuela conheceu a prosperidade na década de 1950 com o maior PIB per capita do Mundo mas, infelizmente vivia sob um regime ditatorial. A descoberta do petróleo no século XX abriu-lhes o mercado para os investimentos estrangeiros e exploração de multinacionais. Durante este regime, o Estado venezuelano permitiu que investidores, locais e estrangeiros, explorassem livremente os jazigos recém descobertos de petróleo ajudando a modernizar aquilo que até então não passava de uma atrasada província neo-colonial. Mas não só. O regime estimulou a imigração trazendo mão de obra de vários países tais como Portugal, Itália e Espanha e criou um forte sistema legal que protegia os direitos da propriedade privada. Assim, foi durante o regime militar que a Venezuela atingiu o auge com políticas de mercado livre.

Apesar da pujante economia, a mão repressora desta ditadura e a corrupção, despertou os activistas de esquerda que provocaram o derrube do regime em 1958. A Quarta República Venezuelana acabou sendo liderada por Betancourt, um ex-comunista que defendia a imposição de um Estado socialista mas ao contrário de Marx, de forma muito gradual. Embora se designasse de social democrata, fazia parte da geração que queria estatizar o sector petrolífero, expulsando os privados, para depois aplicar as receitas no Estado social. Acreditava que a Venezuela, para ser independente teria de se desfazer da influência e interesses estrangeiros e ter o total controlo do sector petrolífero para poder distribuir gasolina barata , a saúde, educação e outros serviços públicos, grátis . Para atingir seus objectivos implementou políticas socialistas tais como a desvalorização da moeda, reforma agrária, estatização da economia. Mas foi com Perez, seu seguidor, que a estatização foi concluída, em 1975, transformando a Venezuela num “petroestado”. Perez financiava assim, o generoso o Estado social, com défices orçamentais que passaram a ser crónicos fazendo igualmente disparar o endividamento interno e externo. Com o preço do petróleo em alta, vieram os grandes fluxos de “petrodolares” que eram aplicados em obras megalómanas do Estado e projectos sociais (isto por acaso não vos lembra nada?). Porém, a população já sentia quebra no poder de compra porque o Estado não criava riqueza. Limitava-se a distribuir receita. Os políticos passaram a controlar a economia decidindo de acordo com seus próprios interesses e não de acordo com as necessidades da população (isto também não vos lembra nada?). Com uma inflação galopante e uma economia a descontrolar-se, abriu-se a porta a Chavez.

Quando Chavez chegou ao poder encontrou um país, embora desorientado, com cofres ainda cheios. Consciente de que para aprisionar eleitorado futuro era preciso investir nele tornando-o dependente, abriu os cordões à bolsa e desatou a gastar indiscriminadamente na população cumprindo promessas eleitorais. Enquanto isso, prosseguia a mesma política dos anteriores com um Estado cada vez mais forte e controlador da economia. Não se esqueceu de, pelo caminho, encher também seus próprios bolsos com uma fortuna avaliada em 1,5 mil milhões de euros (coisa pouca). Exactamente ao estilo de Lula no Brasil e Sócrates em Portugal. Contrariamente ao que por aí é dito, pelos “Boaventura” deste país, a derrocada de Chavez começou um ano antes da quebra dos preços do petróleo. Com efeito, nacionalizada a industria petrolífera, a quebra de produção acentuava-se por falta de recursos e conhecimentos desde que Chavez iniciara uma série de tomadas de controlo hostis. Depois veio o clássico socialista: contrair avultados empréstimos e imprimir moeda para passar a viver na ilusão de que o país continua a ter dinheiro para gastar.

A morte de Chavez apenas veio precipitar os acontecimentos quando um idiota chamado Nicolás Maduro lhe toma o lugar. Com um país lapidado, seguir no mesmo rumo socialista fez colapsar definitivamente uma grande nação assim que se deu a quebra dos preços de petróleo.

Assim, este povo, mesmo com “ouro negro” abundante, more de fome, morre de falta de assistência médica, morre da falta de segurança, morre da inflação interplanetária, morre de medo, de angústia, de tristeza, de abandono. Morre de tudo! Porque o socialismo, onde se instala não dá frutos. Seca tudo à sua volta. É a ideologia dos tontos que “não plantam fruteiras mas esperam por comer fruta”. A ideologia que põe o Estado improdutivo a pagar todas as necessidades do país à espera que a riqueza se crie sozinha por obra do espírito santo. É demagogia barata.

Quando vier de novo um “Boaventura” culpabilizar os EUA ou outros pela crise humanitária sem precedentes na Venezuela, atire-lhe com os factos históricos irrefutáveis deste país à beira da morte, às “trombas”.

 

Cristina Miranda( Sigam a Cristina no Facebook)

Via Blasfémias