Chamar os Bois pelos Nomes

Sobre Marcelo ter apelidado Arnaldo Matos de “ardente defensor da liberdade”, e que ficaria na memória de todos nós como tal.

Caro Marcelo, uma vez mais, estás do lado errado da história, e mais uma vez fazes questão de insultar e enxovalhar os valores e a memória de todos aqueles que após o 25 de Abril tiveram que andar a lutar contra a implantação de uma sanguinária ditadura de esquerda, e que são os que te elegeram.

Arnaldo Matos foi tudo menos um “ardente defensor da liberdade”. Se algo ele alguma vez ardentemente defendeu, foi precisamente o mais absoluto contrário da liberdade e dos valores democráticos.

Arnaldo Matos era um radical imbecil a roçar o psicopata, com um longo percurso político maoista, que se notabilizou pelo seu radicalismo esquerdopata! Um perigoso manipulador de massas, sem escrúpulos que não olhava a meios para atingir os fins, que se tivesse chegado ao poder, não haveria liberdade nem democracia para ninguém.

Arnaldo Matos era um assumido execrável aspirante a ditador sanguinário. Era um Hitler, um Estaline, um Mao, e um Pol Pot em potencial, que se tem tido acesso ao poder, à semelhança dos acima descritos, teria matado e mandado matar todos os que diferente dele pensassem, todos os seus opositores, e que só não o foi nem o fez de facto, porque a história simplesmente não lho permitiu.

Objectivo, desejo, vontade, de ser tudo isso, de emular todos esses, foi algo que esteve sempre presente ao longo de toda a vida e em toda a linha de pensamento e acção do Arnaldo.

Arnaldo Matos era um fascista, de esquerda, exemplo vivo de que fascismo e comunismo são somente duas faces de uma mesma moeda.

Todos sabemos quem foi de facto o Arnaldo, os valores que defendia, e o que ele teria sido se o tivessem deixado ser, pelo que alegar que o Arnaldo foi um “ardente defensor da liberdade” para além de ser uma completa idiotice, e uma descarada mentira, são também um exercício de enorme embuste, e hipocrisia. Uma inútil patética tentativa de branquear aquilo que foi efectivamente o Arnaldo.

Caro Marcelo, que adoptes postura e discurso muito pouco apropriado com o cargo de PR, e muitas vezes mais condizente até com um qualquer vulgar idiota, nada contra, pois cada um é como é, e em democracia e em liberdade temos que aceitar e respeitar as diferenças, mas agradeço que o faças só em teu nome, e que fales só por ti, não em nome de todos nós, e que  não pretendas arrastar-nos juntos contigo pelas vias da mediocridade que optaste trilhar.

Não caro Marcelo, o Arnaldo não foi um ardente defensor da liberdade e menos ainda da democracia, e não ficará na memória de todos nós como estando associada a tais lutas e a tais valores.

E assim sendo, não aceitaremos que nos trates insultuosamente como se fossemos todos mentecaptos e ignorantes, ainda que haja de facto nesta nação muita gente ignorante e mentecapta.

E  não aceitaremos que queiras fazer de todos nós uma cambada de imbecis, nem que gozes com a memória de todos aqueles que deram a sua vida a lutar contra os Arnaldos deste mundo.

Se o queres ser e fazer, então sê-o e fá-lo sozinho e somente em teu nome

Rui Mendes Ferreira

Cada artigo corresponde à opinião de cada colunista e não à linha editorial geral.

Marcelo tornou-se vulgar

A vulgaridade da actuação de um homem que é representante máximo, de um órgão soberano de poder político em Portugal, é o descaracterizar do simbolismo do cargo e magistério de influência que este tem no andamento dos dias do País. Marcelo é egocêntrico, Marcelo gosta que falem dele, Marcelo quer a direita, a esquerda e o centro em uníssono na próxima votação presidencial, mas hoje, arrisca-se a pelo menos não ter 2 dos três variantes do espectro político: A direita e o centro. Tudo por querer saciar, primeiramente, um ego incontrolável e, por outro, conseguir dar corda a António Costa para que este se enforque no final. Sim, desenganem-se que Marcelo Nuno Duarte Rebelo de Sousa, goste de gerir tempestades, isso fica para contas de outro rosário, para estadistas de elevado calibre que consideram que cata-ventos não são aptos para a função presidencial.

Reparem que não é mau que Marcelo dê corda a António Costa, é uma estratégia política inteligente e bem conseguida, até como se vê pelas reacções cada vez mais intempestivas do primeiro-ministro a qualquer indignação contrária de elementos opositores à sua farsa governativa, o problema, é que Marcelo para conseguir “exceder”, os poderes constitucionais que tem, gorando o poder de António Costa e tornando-se a primeira figura do plano político português, teve que sacrificar o institucionalismo “normal” do seu cargo para que o poder dos afectos, lhe dessem ainda mais legitimidade do que já tem enquanto detentor de mais de 51% dos votos dos portugueses.

A manutenção dessa estratégia da “mão invisível”, uma ideia minha que tenho insistentemente escrito em artigos sobre Marcelo, tem custos. Não existem almoços grátis na consagração harmoniosa e consensual de um presidente da república especialmente em tempos estranhos, onde um homem usurpa o poder por motivos patológicos, e temos uma geringonça social-comunista pronta para nos levar para a quarta bancarrota em 45 anos de democracia. Marcelo de facto tinha que inovar, tinha que ser o principal, conseguiu, mas os modos para lá chegar roçaram o inacreditável nos últimos tempos e os portugueses em geral perceberam isso retirando valores às notas exorbitantes de popularidade de Marcelo.

Não havendo primeiro-ministro com níveis de decência, visão e articulação gramatical aceitáveis, não havendo um presidente da república capaz de gerir conflitos e que seja o pedestal da “reserva política” da nação, Portugal caminha a passos largos para a nova armadilha do ciclo económico descendente, sem ter feito reformas estruturais para se aguentar em períodos negros e, isto tudo, sem líderes no comando da navegação. Os portugueses tem que reflectir, em Outubro de 2019, se querem mais 4 anos de estagnação ou se querem que o Estado saia da frente, em áreas onde se gere riqueza, e possamos finalmente a sentir o cheiro do dinheiro nas nossas carteiras.

Mauro Merali

 

Estou farto de palhaços

Nas próximas eleições, os que votarem em Marcelo, será nisto que estarão a votar.

Os que optarem por votar novamente em Marcelo, não mais poderão dizer que se sentem enganados. Passam de eleitores que hoje se dizem supostamente enganados a eleitores apoiantes e coniventes. Não há mais desculpas. É assim simples, simples.

Desde que foi eleito, quantos polícias que foram violentamente atacados e feridos no desempenho da sua profissão, é que Marcelo visitou nos hospitais, num acto de apoio e defesa pública desses agentes de segurança e autoridade? Quantos

Quantos policias que morreram ou que foram assassinados durante o cumprimento do dever, é que Marcelo elogiou, comendou, prestou pública homenagem até hoje? Quantos?

Quantas famílias de policias que morreram ou que foram assassinados durante o cumprimento do dever, é que Marcelo já visitou, para prestar o seu respeito, condolências, dar um pouco de apoio institucional, moral, emocional, até hoje? Quantas?

Estou farto de palhaços e de palhaçadas, de embustes, de embusteiros, de hipocrisias, de hipócritas, de populistas que farisaicamente acusam outros de o serem, de autos de fé de populismo, de actos de cobardia, de rendidos e ajoelhados à ditadura das seitas do politicamente correcto, de gente que consegue dizer uma coisa num dia e no outro o seu contrário, de patéticos idiotas, de gente que vive da espuma do dia, do imediatismo, de cata ventos, de gente que se move pelo mediatismo e interesse do momento, de gente sem o mínimo de preocupação com efeitos a longo prazo, de gelatinas políticas, sem substância alguma, de inúteis, de inconsequentes, de gente que não assume responsabilidade de nada, de gente sem palavra, sem espinha dorsal, sem vergonha.

Caro Marcelo, definitivamente estou farto de ti. Fartinho.

Rui Mendes Ferreira

Marcelo está ao mesmo nível de António Costa

Marcelo está adoptar uma táctica inteligente da ciência política que tem como pilar fundamental o que eu chamo de “terceiro olho”, ou seja o Presidente “tudo vê”, “tudo sabe” e “em todo o momento está presente”. Portanto, quer dar uma mensagem que está atento aos problemas gerais da nação e assim estender o seu poder da “mão invisível” dos afectos mais além. O problema, é que o abuso desta táctica pode levar a danos irreversíveis na reputação de um Chefe de Estado e comandante supremo das forças armadas, pois, em vez de reforçar a sua autoridade institucional e por sua vez natural, por força normal do cargo que exerce, Marcelo banaliza o seu cargo ao nível dos comentários do seu Primeiro-Ministro que aborda a sua tom de pele para se defender de situações que não sabe resolver.

O Presidente tem que perceber, efectivamente, que dar um abraço ou confortar com um beijo mais ou menos técnico na face de um individuo que agrediu um policial à pedrada, é um ataque ao Estado de direito democrático, pois legitima um criminoso- crime à integridade física acrescenta-se- e a sua intenção que foi imortalizada na memória de quem sofreu com a agressão e Marcelo não fez o mínimo esforço para tirar uma selfie com o senhor agente, levando o próprio sindicato da autoridade policial a desdenhar Marcelo e bem. A autoridade e os poderes de Marcelo estão cada a diminuir cada vez mais quando abre a boca, se num primeiro período os “afectos” davam para colocar a geringonça no sítio, sendo Marcelo em tempos passados a única reserva mental do regime hoje não passa de um bobo da corte.

51464727_10212642227707476_5855941020490924032_n.jpg

Marcelo conseguiu a tripla proeza de não só colocar o circo em Belém e banalizar o seu cargo, como desautorizar as forças do Estado que nos protegem a todos nós e, pelo que se vê, ninguém os protege. É ainda de lamentar que Marcelo tenha perdido o discernimento devido ao seu egocentrismo, perdendo a oportunidade dar o golpe final que tanto queria em António Costa quando este tivesse com a batata quente nas mãos, dando lhe corda até esse “juízo final”. Uma oportunidade perdida que lhe daria um lugar na história por ter livrado Portugal do fardo da geringonça social-comunista que nos sacrifica enquanto País a prazo.

Assim, Marcelo ficará na história como uma criatura simpática no primeiro momento e cínico no segundo, sempre para se aproveitar dos “restos alheios” e tentar assim insuflar o seu mandato de flores utópicas de contentamento, que no fim não vão servir rigorosamente para nada a não ser rebaixar a já baixa reputação da república junto dos cidadãos e de um regime oligárquico engravatado que está pela hora da morte.

Mauro Merali

 

 

 

A hipocrisia monumental de Marcelo

Depois da vitória na segunda volta das presidenciais brasileiras de Jair Bolsonaro, no fresco da manhã, Marcelo Rebelo de Sousa é convidado a comentar a eleição do seu actual homologo brasileiro. Marcelo, com o seu ar cínico e teatral de sempre, diz que:” O mundo tinha acordado com más notícias de intolerância, chauvinismo e xenofobia“. Dias depois, o mesmo Marcelo, começa a preparar terreno e coloca-se em “bicos de pés”, para emendar a situação e ser convidado para a tomada de posse, logo diz Marcelo que era necessário a colaboração dos dois Países nas áreas fundamentais exigidas para o funcionamento das relações bilaterais dos dois Países. Na tomada de posse de Bolsonaro, ontem, Marcelo cumprimentava o “xenófobo”, “chauvinista” e “intolerante” Jair Bolsonaro com sorrisinhos fáceis, pancadas nas Costas fúteis e um quase que “apegamento” à aura ganhadora que Bolsonaro adquiriu com o voto democrático e o discurso louvável de sua mulher.

Marcelo ainda diz que, a sua conversa com o Presidente Brasileiro, foi entre “dois irmãos” e louva os bons desenvolvimentos. Se tudo isto não fosse uma autêntica palhaçada e Marcelo fosse somente um assessor da Presidência, até nos podíamos rir de um novo comediante caviar da direita portuguesa. Mas não. Marcelo é representante máximo das forças armadas portuguesas, que teve um roubo em Tancos no seu mandato e mandou apurar e nada. Marcelo é igualmente chefe de estado, e por isso dirige um Estado que falhou aos seus cidadãos em Borba, com falhas na actuação sabendo já do caso, e nos incêndios de 2016 e 2017 que devastaram famílias e negócios inteiros.

O que dava alguma credibilidade política a Marcelo era este, pelo menos devia ser, ser o único garante do Estado democrático e das instituições uma vez que temos um governo dirigido por um individuo com problemas acentuados de egocentrismo e necessidade imperiosa de nos fazer de parvos, e que não reforma nada de significativo a não ser garantir uma rede sólida de votos que lhe garanta por sua vez a sua eleição em Outubro de 2019, sem olhar para a sustentabilidade das finanças públicas, nem para problemas crónicos de crescimento que nós temos. Marcelo juntou-se a Costa, depois descolou-se, prevendo a desgraça económica que vamos ter e que pode “entalar”, o seu antigo aluno num segundo mandato. Mas Marcelo colou-se demais a Costa, deu colo demais a Costa, agora é tarde.

Se era necessário a Marcelo a tal “mão invisível”, extra que lhe garantia poder adicional que coloca-se Costa no sítio nas alturas certas, os tais preciosos afectos que lhe colocam como a única reserva política do País caso algo corre-se mal, hoje essa mão invisível esgotou-se. Marcelo utilizou-a mal, e quando a devia ter utilizado foi brando, foi brando quando aprovou as 35 horas semanais para os funcionários públicos dizendo que provavelmente não teria custos, quando que por mera lógica matemática sabia-se que existiam custos que iriam crescer.

Tudo isto são pregos no caixão do Presidente. Pregos que lhe tiram credibilidade e força para falar de outros Estados e de outros Presidentes eleitos. Marcelo não tem mão na sua casa e fala da casa dos outros, quando este nem começou a governar. Marcelo manda “bocas soltas”, a Bolsonaro e depois chama-lhe “irmão”. A cobra que Marcelo é em política portuguesa, é um peluche em política internacional, porque, sinceramente, ninguém quer saber de sua personagem. Aliás, até os jornais internacionais o colocaram como populista ao lado de Orban, primeiro-ministro Húngaro. Se não é mau ter uma picareta falante como Presidente da República não sei o que é então o significado de “mau” ou degradante.

Bolsonaro, o “boçal”, o “malcriado”, o tudo da direita “Haddad” portuguesa, até foi muito bem educado e gentil para quem lhe insultou. Relativizou. Foi um senhor. Outros tomam banho no tejo. Paciência.

Mauro Oliveira Pires

Marcelo perdeu o tino

Marcelo Rebelo de Sousa, usando o nome mais corriqueiro e beijoqueiro, o Professor Marcelo, tem um problema em mãos de tamanho considerável: Ele mesmo. Marcelo tem um grau de egocentrismo que não lembra ao careca, grau esse que aumenta na exacta proporção dos beijos que consome e a cada face que beija. É como se insuflasse ainda mais a rapidez de raciocínio característica do professor, mas, com claros efeitos nefastos. Vejamos: Marcelo precisa do Governo de Costa como as cagarras das Selvagens precisam do colo de Cavaco Silva, as saias de Costa são relativamente extensas, quentes e peludas, tal como os efeitos gramaticais em aulas de inglês técnico avançado para “Web Summistas” em Lisboa.

Portanto, um governo fraco, devido ás correlações de força do Parlamento, isto no início de 2016 onde a posição de Costa não estava ainda consolidada, era o ideal para que o Presidente dos afectos, os preciosos afectos, aqueles que permitem Marcelo ter uma espécie de “segundo poder”, onde cada palavra antes colocava Costa e a sua manada em sentido, eram essenciais para não só Marcelo ser a principal figura do regime, controlando Costa a seu belo prazer, como também, e o mais importante claro, massajar, o seu ego de forma a que a sua hiperatividade cansativa e, até podemos admitir, certa ansiedade, pudesse desaparecer a prazo.

Tudo parecia correr bem. Marcelo distribuía flores e afectos pela população portuguesa afectada por incêndios de origem duvidosa, um trabalho digno de uma nota elevada, talvez um 18, pela forma como conseguiu somar ainda mais pontos com os seus eleitores e ainda encostar Costa num canto escuro e frio, quase que colocando o num pedestal pequeno e com uma luz artificial de um qualquer lustre de Cascais. Costa parecia desgastado e no ponto certo para um KO futuro por parte do Mestre da Táctica política.  Com tanto poder acumulado, Marcelo, o táctico, a raposa velha, baixou a guarda consideravelmente. Usar António Costa, como se usam chinelos da Feira da Ladra, foi um erro táctico incomportável. Andar da esquerda à direita com a táctica da chinelada, querendo, uma maioria confortável à primeira volta nas próxima eleições, deu para o torto.

Costa aproveitou, a cobra maleável, quando lhe dá jeito claro, deixou Marcelo cair na sua própria teia e colocou o no bolso da melhor maneira. Já foi o PCP,  o BE e agora Marcelo. Já agora, o PSD também. O regime está com os dias contados com tamanha amarração e camisa de forças apertada. Sem um Presidente da República, digno desse nome, Marcelo é agora mais uma marioneta de António Costa, onde este faz o que quer e quando bem entender. A Presidência da República, é um dos pilares de regulação e de contra poder ao Governo, Marcelo desequilibrou a balança para um só lado e, deixar uma criatura perigosa como António Costa à solta pode ser fatal, para o Professor de direito e já agora, para o País.

Mauro Oliveira Pires

Banhos de Ética

Sobre o afastamento da PGR Joana Marques Vidal, eis algumas das frases proferidas por Passos Coelho.

Frases que numa situação normal, deveriam ter sido proferidas era por Rui Rio, e algumas até Marcelo, mas bem pelo contrário, um calou-se e andou a fazer o papel de idiota útil, e sempre que abriu a boca foi só para dizer patetices, bacoradas, e idiotices, inconsequentes, e o outro, não só esteve metido no lamaçal, como nele tem andado a chafurdar, até à raiz dos cabelos.

“não houve a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição”;

“sobra claro que a vontade de a substituir resulta de outros motivos que ficaram escondidos”;

“assisti sem surpresa” (ao seu afastamento e a todo o processo);

“a defesa de um mandato único e longo é uma falácia para justificar a decisão”;

“a Constituição não contém tal preceito”;

“desempenhou o seu mandato com total independência, sem que ninguém de boa fé possa lançar a suspeição de que tenha feito por agradar a quem tinha o poder de a reconduzir”;

“exerceu o seu mandato com resultados que me atrevo a considerar de singularmente relevantes na nossa história democrática”;

“Não era a mim que deveria ter cabido a acção de defesa e reconhecimento de que é inteiramente merecedora”;

“menos compreensível é que quem pode e deve ser consequente nesse reconhecimento não esteja interessado em fazê-lo”;

Grande Passos Coelho, até ausente, continuas a demonstrar possuir os valores, a espinha dorsal, a frontalidade, e a dar lições de honestidade, integridade, seriedade, que fizeram e fazem de ti um Senhor.

Caro Passos Coelho, como em tempos disse um pacóvio patético idiota que de vez em quando aparece por aí, deste um “enorme banho de ética” a toda esta corja a que estamos entregues. Inclusive ao gajo que nos prometeu esses tais banhos de ética.

Rui Mendes Ferreira

Lamento mas vou BERRAR!

O Presidente não quer que berremos por Venezuela. Diz que berrar é perigoso e pode pôr em risco os portugueses que lá vivem.  Como se já não estivessem há muito tempo no limite do perigo, a sobreviverem desgraçadamente no fio da navalha. Desculpem-me mas sinto repúdio por estas declarações e por isso vou BERRAR minha indignação!

Não faltava mais nada! Logo ele que não se cala e fala e berra sobre o que deve e não deve, seja a comer na Pastelaria Suiça ou a nadar no rio, vestido ou de calças na mão. E  que por berrar pelos cotovelos sem ponderação nem responsabilidade,  em qualquer sítio em qualquer lugar a qualquer hora, já contribuiu para o caminho sem retorno do colapso financeiro deste país: ao desculpar os incompetentes no governo sempre que há desgraças; ao felicitar pelos “belos” défices martelados; ao elogiar a falsa diminuição do desemprego que não é mais do que o resultado do êxodo dos portugueses à procura de melhor vida lá fora; ao enaltecer os “excelentes” números económicos de umas míseras décimas; ao promover estas políticas de degradação social e económica com base na despesa sem controlo do Estado, aumentos de impostos, roubalheira descarada e cativações criminosas;  ao conotar de “sucesso” esta Geringonça com alicerces comunistas que já destruiu 4 anos de esforços colectivos!

Não se cala nunca, parece uma gralha,  mas silenciou de forma ensurdecedora sobre venezuelanos a morrerem de fome, sobre fazendeiros brancos a serem assassinados na África do Sul por racistas negros, sobre crianças a serem abusadas por padres, sobre cristãos e judeus a serem mortos, mulheres a serem estupradas e  famílias a chorarem a perda dos seus filhos por ataques de islamitas. Mas em contrapartida, quebrou o silêncio para nos informar que era preciso escancarar as fronteiras para receber massivamente jovens migrantes, sob estatuto de refugiados, que não fogem de guerra nenhuma. Porquê?

Também nos disse para não berrar por Pedrógão, não foi? quando denunciamos que era responsabilidade do Estado e não do clima, que havia gente sem receber ajudas, que o dinheiro fora desviado, que as mortes foram muitas mais, que ardia tudo propositadamente para receber fundos perdidos de Bruxelas e resolver problemas financeiros de Portugal.  Mandou-nos silenciar, acusando-nos de aproveitamento político para agora confirmamos que foi esse silêncio que permitiu tanta fraude, tanto saque e  ocultação de factos por abuso de poder de gente sem escrúpulos. Pois é.

Querem o nosso silêncio à força, pois querem,  porque o silêncio é o que mais  convém aos ilusionistas populistas que vendem a todo o custo uma realidade que não existe para cativar  eleitorado. Que fazem da farsa sua aliada na conquista do poder que almejam mais que tudo na vida e por isso mandam silenciar para não comprometer suas “gloriosas” caminhadas rumo à reeleição. Querem o silêncio porque esse, é a arma dos ditadores que não vêm com bons olhos quem se lhes opõe.

Mas eu não vou silenciar. Vou berrar, vou gritar, sempre que houver um populista a mandar silenciar as vozes que o incomodam. Entendido?

Cristina Miranda

Via Blasfémias

Costa não quer luta contra a corrupção

Nunca as coisas foram tão claras como agora, ao tomarmos conhecimento que Costa não colocou na lista a apresentar junto do Presidente da República, o nome de Joana Marques Vidal para o cargo de PGR. E o mais incrível disto tudo é que ele nem sequer disfarça. Podia ter incluído o nome só para “inglês ver”. Mas não. O acto de omitir o nome é uma clara mensagem ao Presidente da sua intenção de não a ver renomeada. Clarinho como a água.

Assim, Costa declara que “não vê” qualquer mérito no trabalho de 6 anos da actual PGR.  É isso mesmo! Portanto, a brilhante “Operação Marquês” que pela primeira vez na história de Portugal coloca no banco dos réus políticos, banqueiros e  ex-governantes como José Sócrates, Ricardo Salgado e Armando Vara entre outros por fraude e branqueamento de capitais; a corajosa “Operação Fizz” contra ex-presidente angolano igualmente por corrupção; o megalómano “Processo Universo Espírito Santo” sobre o maior colapso financeiro registado em Portugal com ligações políticas nefastas para o erário público; e ainda a menos badalada “Operação O Negativo” de que já nem se fala, mas igualmente grave e que envolve o ex-presidente da Octopharma  e o ex-presidente do INEM, num esquema que envolvia a venda de plasma sanguíneo, lesando gravemente o Estado, não são currículo mais do que suficiente para reconduzir esta competentíssima profissional. Não senhor. É “currículo a mais” para o cargo que se deseja ser desempenhado por gente frouxa, “amiga do seu amigo”. Ao estilo daquele que safou Sócrates quando ele era ainda primeiro ministro. Percebem?

É preciso, portanto, chutá-la dali para fora por falta de “perfil adequado”. Porque para governos opacos que gostam de se mover em lodo, transparência, justiça e separação de poderes não interessa nem um pouco. Porque isso torna-se um obstáculo ao “safanço” dos amigos entalados na justiça  e que com uma “Joana Marques Vidal” no caminho, poderão ser uma ameaça, abrindo a boca, levando consigo outros para o banco dos réus assim que perderem a imunidade parlamentar. Estão a ver o problema? Assim,  Mulheres determinadas, isentas e sem qualquer hipótese de compadrio, não são desejadas no meio podre da máfia portuguesa, que ameaça todos de alguma forma, de tantos tentáculos que os ligam entre si.

O problema é que ao não reconduzir Joana Marques Vidal, Portugal perde credibilidade porque está a passar a imagem para o exterior, de que não privilegia o combate à corrupção, antes combate quem lhe faz frente de forma exemplar. Cá dentro passa a imagem de que não existe justiça igual para todos, nem separação de poderes mas sim, arranjos políticos tal como nos países do 3º mundo. É a desacreditação total de uma Nação que se diz democrática mas a toda a hora se comporta como numa ditadura.

O único que pode e deve salvar a honra deste país, é o Presidente da República com o poder de decisão que lhe cabe nestas circunstâncias, de acordo com a nossa Constituição. Será dele a última palavra. E dele, espera-se sentido de Estado que ponha ordem nesta bagunça. Falta saber se será essa a decisão, para dar continuidade a um trabalho louvável e irrepreensível ou se vai deixar que a política tome conta da justiça em Portugal.

Esperemos que a defesa pelos interesses da Nação e não outros, fale mais alto na hora de assinar.

 

Cristina Miranda

 

Via Blasfémias

Marcelo, o Presidente Bacalhau

Diz-se na gíria que um bacalhau asseado, limpo e bem lascado é saboroso e farto. Marcelo entra como uma luva nestes pergaminhos, toma banho, nada, muda de calções para as câmaras captarem a sua masculinidade- muitas vezes peludo outras lascado de modo a que os seus antigos caracóis do peito pareçam linguados- enfim, todo um conjunto de panóplias bem feitas, para que o Chefe Supremo das Forças Armadas, pareça mais respeitado ao olhar dos seus pupilos e para que exerça, de modo mais salgado, as suas funções afectuosas de Presidente- que tão bem as usa, diga-se de passagem- para, uma vez mais, a mão invisível do poder de Marcelo se reforce a cada ano que passe e condicione os destinos do governo social-comunista de António Costa.

Destino esse que não só dependeu de um arranjinho de última hora, para cumprir os desejos profundos da maçonaria e da Oligarquia de Lisboa que queria Passos Coelho fora do barco, mas como hoje depende cada vez mais da conjuntura macroeconómica envolvente. A próxima crise económica será relevante para o destino do Governo de Costa , Centeno mudou o discurso, Costa ás vezes salta a cerca, mas rapidamente volta para o ponto de partida. Todos os comuns mortais sabem que o Primeiro-Ministro não tem a habilidade necessária para lidar com problemas que são de responsabilidade máxima, ou que exijam decisões que sacrifiquem a sua popularidade. Costa move-se à base do cinismo e da demagogia, o seu ar arrogante e autoritário quando se perdem, a sua enorme fragilidade revela-se perante todos, o de ser um político banal.

Marcelo, mais do que ninguém, sabe disto. Quem conhece o Presidente da República ou acompanha o seu percurso há anos, sabe que Marcelo(como já tenho dito neste espaço), como todos os defeitos que tem, é um génio táctico na política quando não baixa a guarda. O nosso Bacalhau de Belém, tem experiência que baste para perceber que ter um ex-aluno na governação executiva do País não quer dizer que este mereça abraços, calções de banho grátis ou um pão de queijo com marmelada- acho que Marcelo gosta disto- Marcelo, fará de tudo para proteger a sua imagem impoluta de Presidente com autoridade dos Portugueses, porque Marcelo foi eleito, Costa não, exige legitimidade eleitoral, uma arma que torna Costa fraco e uma presa fácil perante as garras de Marcelo.

Deixar cair António Costa não é uma ciência oculta, um político é antes de tudo um ser humano, tem fraquezas, Costa com o seu sorriso cínico habitual parece uma barreira intransponível, mas a criação de máscaras para ocultar os pontos fracos é algo que Costa sabe fazer como ninguém. Não me tiram da cabeça que Costa é mais banal do que o que se pensa, é bastante básico no seu modo de pensar e tem um discurso sofrível a nível gramatical. Costa não sabe debater sem efectuar a táctica socialista do barulho. O que fará cair António Costa? Não, não é Rio, por mais que Rio ganhe as eleições sem maioria absoluta não terá hipóteses contra as esquerdas unidas. Para além disso, Rio não é alternativa a ninguém, socialismo contra socialismo poderá levar à fragmentação da direita e uma possível geringonça de direita, um cenário a estudar mas longe de acontecer.

Para Costa cair é dar corda ao mesmo, o egocentrismo de Marcelo tem que ser protegido, um Presidente que deu apoio ao governo mas que, em tempo oportuno avisou dos dissabores, descolam Marcelo das práticas de Costa, pelo menos na teoria política. A bancarrota de Costa tem que ser resolvida pelo mesmo, se queremos o socialismo português no caixão a alternativa mais fiável é essa, deixar o outro bacalhau marinar, mas desta vez por um período de tempo longo. O Presidente Bacalhau, desta vez na posição de chefe, tem uma palavra a dizer. Marcelo, o discípulo de maquiavel tem o caminho aberto para ficar na história como o garante democrático contra o social-comunismo do pior governo da democracia portuguesa, ou, por outro lado, como o seu principal “motivador” e assim sairá pela porta pequena.

Cabe ao troca calções mor do reino escolher.

Mauro Oliveira Pires ( Sigam me no Facebook para uma maior interacção)