O Escabeche Comunista

Vivemos num momento político em que a aliança tricolor entre PS/BE/CDU-PEV nos tenta convencer todos os dias, através de uma máquina de comunicação muito bem oleada, que eles sim são a salvação, que eles sim são a mudança e o fim da austeridade. Os coitados do PSD, historicamente, sempre foram asnos da comunicação, não sabendo esmiuçar as boas notícias até à última gota, não sabendo aproveitar todo o valor político que os bons resultados económicos que foram tendo ao longo do seu mandato. Mais, não souberam fazer oposição utilizando estes factos, como vieram a lembrar recentemente. Só agora é que se lembraram que de facto fizeram reformas que levou à liberalização do mercado das rendas, que facilitaram uma série de coisas que ajudou, e muito ao boom turístico que estamos a presenciar.

Não falaram e não insistiram desde o primeiro dia, que o Costa e Companhia Lda. iriam viver em estado de graça durante muito tempo graças ao executivo anterior, que viveriam sempre na sombra dos resultados macroeconómicos do prévio executivo (porque ao contrario do que alguns politico-comentaristas dizem, efeitos na economia devido a reformas não acontecem de hoje para amanhã) e que graças aos Portugueses, a nós os Contribuintes, e graças a grau de pragmatismo que há muito tempo não se via, conseguimos passar de 11% a 3% de défice em 4 anos, e conseguimos colocar Portugal no rumo certo para a recuperação. Agora, CLARO que foi longe de perfeito. Quando o PSD governa, surgem alas conservadoras que mexem em coisas que não deviam, ou pura e simplesmente ignoram outras áreas, ex. Simplex e modernização do estado, e isto não é ideal, tal como não é ideal o clientelismo e a pouca-vergonha que é a governação do PS que parece estar afincadamente focada só nos trabalhadores públicos. Enfim, as coisas vão transitando entre um partido e outro, e o contribuinte reza para que o bicho do fisco não nos prejudique mais do que já o fez.

Só que existem por aí uns tantos políticos, que se acham santos, que se dizem ser protectores do povo e salvadores do trabalhador, que recusam-se a condenar regimes como a do Nicolas Maduro ou do Kim Jong-Un, porque têm laços históricos com uma ideologia política antiga e vencida, logo não se pode criticar. Os nossos queridos Comunistas que tanto gostam de bater na tecla contra o “grande capital” e a burguesia e isto e aquilo, os vingadores que prometem acabar com as desigualdades tanto no público como no privado.

Ora surge hoje uma reportagem do Observador, cujo título é o seguinte: Câmara comunista oferece relógios de 880 euros a trabalhadores. Vou só deixar isso assentar um pouco. Preparados para mais indignação com este belo executivo comunista de Almada? Foram 150,000.00€ em relógios de luxo desde 2011 por ajuste directo a uma ourivesaria do município, sendo que só em maio (mais claro, em ano de campanha) foram €35mil euros em 43 relógios de luxo para homens e mulheres funcionários da câmara. Mais, em Dezembro foram quase €10mil em 65 smartphones para a festa de natal da câmara para os filhos dos funcionários, porque como a tradição era dar uma bicicleta, mas como a maioria já tinha, optaram por smartphones. Em 2015 foram tablets. E em 2017? Frigoríficos, Bimbis, carros? Quiçá uma moradia? Mais, parece que Almada é o único município que tem um festival de música que dá prejuízo, e dá prejuízo de mais de 744mil euros…

Para ser ainda mais claro: o teu dinheiro que sai do teu bolso todos os dias, que contribui para que possamos ter quiçá um estado que no mínimo dos mínimos nos preste um serviço digno no que calha à organização municipal, à saúde, à educação, à manutenção das infraestruturas, etc., está a ir directamente para alimentar um sonho molhado de qualquer comunista: os outros que paguem, para que eu ganhe. €150,000.00 em relógios para os funcionários comunistas e regalias para os filhos dos comunistas todos os anos que custam mais de €10,000.00 ao contribuinte, mais um festival anual na Caparica que custa mais de €700,000.00 em prejuízos. Garantidamente não há de ser a única Câmara a fazer este tipo de porcaria, mas enquanto os outros partidos tentam desvalorizar este tipo de corrupção (porque sim, este tipo de actividade é corrupto), o Partido Comunista anda por aí constantemente a meter-nos pela garganta abaixo que tem que se defender o povo do grande capital e bla bla bla. Se já valia pouco, agora vale ainda menos. Resignem-se ao CGTP, façam um rebranding, e deixem o comunismo na lixeira da história das más ideias cuja execução conseguiu ser sempre ainda pior do que se idealizava.

O facto é que o Jerónimo e o seu comité pertencem à mesma quadrilha que nos anda a assaltar com todas as ferramentas e recursos que têm ao dispor. O objectivo deles torna-se cada vez mais claro: querem como os demais serem senhores disto tudo e viver por conta de todos os contribuintes, para sempre. Querem sentar-se na mesma mesa que o resto do poder, querem poder fazer estas falcatruas sem olharmos. Mas é lixado, existe a informação e quem saiba ler e escrever…

Por isso, se por acaso forem ao Festival Sol da Caparica, e se por acaso se cruzarem com o camarada Joaquim Judas (nome perfeito) ou com um dos outros camaradas com uma bela adição à sua indumentária de luxo, peçam um momento do tempo deles para que eles vos possam, em pessoa, agradecer: afinal, tanto o festival como os relógios foram pagos por vocês.

Será Donald Trump o novo fundador do projecto Europeu?

1efaf891a58a472ba5209078d7835c9a_18

 

Há quem goste e quem não goste de Donald Trump. Não é consensual entre socialistas, afecta-lhes o establishment, e é uma incógnita para os liberais. Trump tem neste momento em curso das maiores reduções de impostos da história dos Estados Unidos. Tem programas de flexibilização e de eliminação de regulações, logo menos Estado,  e é Pro-Bussiness. A redução da despesa pública, resta saber a decomposição, ou seja, como é feita, vai cair em torno de 3 triliões de dólares( Ou 3 biliões em termos europeus), podendo assim ressarcir parte da eventual quebra de receita, adjacente, da redução de impostos a efectuar. Até aqui, Donald conquista os liberais, acho eu. Pelo menos é mais liberal, nestes pontos, que muitos políticos Europeus: António Costa, Tsipras ou até Juncker são líderes Venezuelanos Maduristas comparados com ele.

O problema base, se calhar, é a aposta no investimento em infraestruturas e renovação das mesmas, podemos suscitar dúvidas aqui e igualmente nos acordos de comércio livre. Mas de resto, é um programa equilibrado a todos os níveis, dando na educação, por exemplo,  liberdade de escolha,  coisa que o Estado Socialista Português quer retirar e eliminar. O problema de Trump é não ser do sistema político, pois Trump faz parte do sistema empresarial Americano e “mexia-se” relativamente bem na política, antes de chegar efectivamente à mesma, um chico-esperto pragmático, diga-se.

Fruto da sua inexperiência em cargos governativos, Trump olha para o sistema governativo Americano e o País, como de uma empresa se tratasse. Tem claras consequências a nível do que é o teatro político e aqueles joguinhos que hoje se fazem. Mas não interessa, em nada, ao americano comum que preferiram um empresário nos destinos do País, do que o establishment maçónico Americano. Os políticos têm que comunicar de uma outra forma, a táctica da cartilha e do discurso enfadonho acabou, Trump é carismático, dá calinadas? Dá! Não pertence ao clube dos fofos da esquerda? Não! Mas foi o que os Americanos escolheram, e a democracia e o sistema eleitoral Americano, segundo os canhotos, tem que ser respeitada, pelo menos se a democracia incluir a sua estirpe.

O processo da retirada, não total,  Americana de determinadas guerras e concentrar-se no essencial, é um bálsamo para o projecto Europeu, pelo menos para aqueles que o querem. A Europa não pode ser um gigante com pés de barro, tem que ter defesa comum, ou seja, um exército Europeu, e aí, Donald Trump, tem toda a razão. Todos os Países, pertencentes à Nato, tem que efectivamente gastar em defesa 2% do PIB, coisa que muitos poucos Países atingem na Europa, ou quase nenhuns. E isto é típico do socialismo Europeu, querem que nos defendam e os outros pagam, não temos emenda. Logo, o processo de retirada Americana, pode levar a Europa a concluir uma das fases de integração económica: Os Estados Federados Europeus, com orçamento comum e com um Ministro das Finanças europeu.

Pelo menos Portugal seria gerido de fora, prefiro entregar as chaves da governação à Europa, os socialistas Portugueses não tem um currículo invejável de gestão das finanças públicas. Os Estados Unidos da Europa são um projecto bastante interessante, mas não pode ser um monstro balofo burocrático, cheio de regulações e legislações. Sabemos que é pedir muito, mas criem um verdadeiro projecto de liberdade.

Mauro Pires