As Peúgas do Diabo

António Costa é um caso perdido, em Moçambique os mais velhos chamar-lhe-iam Matumbo, outros naja, outros cobra, eu chamo Pândego. A normalidade democrática e institucional de um País depende da respectiva normalidade das criaturas possivelmente normais que nós tentamos eleger, ele não foi eleito e vem ao caso, mas não interessa, a usurpação de cargos é uma eleição de bígamos, é a nova era do Pernil de porco temos que nos habituar, já que a nova “direita” está num processo de ver quem está mais à esquerda temos que andar de trolha na mão para afugentar passarinhos com sapatinho chique.

Os tipos de Lisboa tem a mania de ir para o campo de sapatinho, não sei se é Prada, assim seguia mesma linha do seu anterior dono, ou se é Armani, também seguia mas não ficava bem tamanha alta costura de mobilidade social de peúga verde ao Primeiro-Ministro, mas que interessa, ele nem sabe agarrar a enxada de bom jeito, tem medo dela, vê se mesmo que foi funcionário Público a vida toda, oh Costa não foste aos cursos das novas oportunidades do teu amigo pah que malcriado, a tua falta de chá assusta as ratazanas do largo do rato.

Infelizmente, em terras de comunicação social que tem clube definido, não é preciso dizer qual é, as evidências são tantas que é só olhar para o Miguel Sousa Tavares às segundas que fala por charadas e o Professor Karamba dos domingos Mendes que está sempre a pisar caminhos presidenciais, felizmente que ninguém quer um bruxo para Presidente da República, para percebermos que estamos cercados de gente bem pensante, que sabe como resolver tudo mas não se chega à frente, meninos, tem que se assumir!

Mas eles tem funções definidas, sempre que o camarada Costa dá calinadas de altíssimo nível linguístico eles estão sempre lá, sempre para bater nas costas do menino Babush, ele não tem defeitos são só erros de percurso, ele é Deus da política e imperador do discurso oral, até surgir o Badéfice que estraga a sopa de letras do menino Costa é tudo intriga do Oposição, até se esconder atrás das saias da Constança.

26993743_10156232549861318_5357225183193449537_n.jpg

Ele, o Imperador, o Costa, o Primeiro, pode dizer tudo o que quer que a comunicação social diz que é montagem, é culpa do Passos Coelho, ups já não está, vá é culpa do Ferro Rodrigues que está de calças na mão, mas nunca é do António Charadas da Costa, ele fala do Pinhal com Pinhas, que devia ser um Pinhal com Pinhas, mas quer plantar sobreiros, finalmente Jorge Jesus pode acasalar sobreiros com Pinhais e ajudar os seus avançados com medicamentos de avançada estirpe democrática.

Força Costa! Legaliza lá de vês a Cannábis! Mete mais tabaco.

Mauro Oliveira Pires

 

A arte de falar por charadas, doutor Costa apresenta-se!

 

 

Já tinha colocado este vídeo em circulação aqui no PortugalGate  faz tempo. O que me traz de novo a desenterra-lo para a ribalta é o mesmo motivo pelo qual o coloquei primeiramente. Se, antes, o António Primeiro-Minúsculo, chiava de forma tremendamente peculiar, reparem, não é falar, é chiar, agora o António Cativa palavras para depois as usar em situações mais dignas, como coadjuvar com a Catarina do Bloco canhoto e com o dinossauro do Partido da foice e dos martelos marca limitada. Se é para “falar”, ” dialogar”, numa lógica “inteligente” como diz o Primeiro-Minúsculo, quando os fusíveis estão no sitio, então usa-se a famosa táctica do barulho Costista que ninguém percebe a ouvir, mas sente-se no terror de olhar para tal criatura no seu pedestal de mediocridade: As Charadas do Costa, tão raras quanto parvas, o António fala por charadas.

Já agora, o Jorge Jesus está desactualizado, se da outra vez era Jorge Jesus que tinha de evangelizar o Camarada António rumo ao dialecto amadorense total, é hoje Costa que evangeliza 10,5 milhões de almas pensantes rumo à bancarrota com charadas, é por isso que ninguém percebe tal abécula.

Chiça Penico.

Mauro Pires

Jorge Jesus foi professor de Português de António Costa, ora veja

 

 

É completamente indignificante para Portugal ter um Primeiro-Ministro que não saiba gramática básica e que qualquer cidadão, até com baixa instrução, sabe. Se Passos Coelho o fizesse faria o mesmo, se o Camarada Jerónimo o fizesse, algo improvável, também o faria e assim por diante. Não podemos ter políticos que em vez de dizer défice diga:” Badéfice” ou em vez de dizer população diga: ” pulação”, ou em vez de precariedade diga: ” precalidade”. Resumindo, que tipo de criatura temos como Primeiro-Ministro?

É que ainda por cima a maneira arrogante com que Costa trata qualquer agente político, como se fosse algum Rei Sol, a juntar a este “coisa” que demonstra a 100% o que Costa é, as pessoas ficam com medo como Costa se pode comportar em visitas a outros Países. Ou até a discursar em palcos internacionais como na ONU, já nos envergonhou. Pergunta, Costa é Primeiro-Ministro ou emplastro de Primeiro-Ministro? Costa é Primeiro-Ministro ou é algum humorista com diploma ao domingo? São perguntas legítimas para tais calinadas psicóticas e pontapés na gramática de bom tamanho.

A culpa não é da Amadora, Costa não nasceu lá, não é do ambiente envolvente, ele é trés chic, então onde ficamos? Só falta Jorge Jesus mas esse guarda a sua ciência só para ele. Conclusão prévia sem estudos científicos associados: Costa é um pândego.

Mauro Pires