A violência das palavras

Quando se ouve falar em violência doméstica associa-se logo às agressões físicas, àquelas que deixam marcas profundas no corpo visíveis a qualquer um. Mas há outra forma de violentar quase  tão “mortífera” como a primeira: a violência psicológica. Nesta o agressor não precisa de se munir de facas ou espingardas. Precisa apenas de abrir a boca e usar a força das palavras cruéis e vis que destroem  a alma. E por não ser entendida, na maior partes da vezes, esta forma bárbara de relacionamento é confundida com mau feitio. É desculpada pela vítima que pensa apenas tratar-se de um carácter “forte” ou difícil como tão banalmente é apelidado. Mas não é. A violência psicológica é praticada por gente com patologias e tem de ser denunciada. Também.

O agressor psicológico é por natureza, um indivíduo que  não valoriza a mulher nem a respeita. Olha-a como ser inferior, seu subalterno que lhe deve toda a obediência sem pestanejar. Para reforçar este estatuto, humilha-a e despreza-a a cada minuto elevando o seu ego até à altura do chão onde assim o pode pisar sempre que quer, fazendo nascer na sua vítima o sentimento de pessoa sem valor.

Frequentemente culpabiliza-a por tudo o que lhe acontece: se perdeu o emprego, a culpa é dela; se está aborrecido, a culpa é dela; se os filhos andam mal na escola, a culpa é dela; se não é bem sucedido na vida, a culpa é sempre dela. Pelo meio, expressa-se com violência, de forma gratuita e vã enquanto ainda exige sorrisos e boa disposição todos os dias quando chega a casa… Vê-lhe apenas obrigações sem direitos e não perde uma oportunidade de apontar falhas ignorando por completo o elogio quando ela o merece. Não se interessa pelos seus sentimentos nem deixa que fale neles. Não entende a tristeza da vítima nem lhe admite lágrimas. Afinal de que se queixa ela se ele só  está a reagir assim por aquilo que supostamente ela não lhe dá?

Para o agressor, tudo nela  é irritante e motivo de discussão: ou porque conversa demais, ou porque conversa de menos; ou porque se exprime demais, ou porque se exprime de menos; ou tem iniciativas a mais, ou iniciativas a menos… Sempre assim. Irrita-se facilmente quando ela fala ou faz algo por muito inocente que seja. Corta a palavra ao meio, levanta-se da mesa abruptamente, atira objectos contra as paredes, bate  as portas com violência pontapeando tudo o que se atravessa na frente. Responde com atitudes violentas à irritabilidade que ela lhe provoca.

A agressividade é quase diária sem motivo aparente. E a vida passa a ser como um jogo de póquer: nunca sabemos qual a cartada seguinte que vai ser jogada… Não se importa que ela vá mal vestida ou mal cuidada para o trabalho mas ai dela se ousar um dia colocar um pouco de batom antes de sair. Logo lhe inventará amantes escondidos à espera dela ao sair do trabalho. E basta uns minutos de atraso para que lhe massacre violentamente a mente com comentários sinuosos de sexo fora de casa. Por isso frequentemente lhe exigirá bom sexo como prova de amor e de fidelidade.  E se nada corresponder ao esperado rebentará de raiva como se estivesse a ser traído. Pouco se importa se as razões da vítima são a falta de mimo, atenção e apreço e que com esse défice não se consiga entregar como gostaria.

Em contrapartida, ele terá muitos “affairs” fora do casamento que ele justificará como inevitáveis pela falta de atenção que ela lhe dá. Do ponto de vista do agressor, ele não é culpado de nada. E se a vítima não corresponde é porque não o ama. Na verdade, são abundantes as vezes que lhe repete essa tão desejada palavra. Quase com a mesma frequência com que a violenta, repete-lhe que é a mulher da vida dele e que não vive sem ela.  É o paradoxo em pessoa confundindo a sua vítima e prolongando assim uma relação que sem isso já teria morrido há muito tempo.

Pelo caminho fica uma mulher totalmente destruída, castrada de vida e sentimentos, manipulada e controlada até ao limite, aprisionada a uma relação mortífera sem o saber. Ama o homem que conheceu, acredita que ele continua ali, mas desculpa-o constantemente por acreditar ou querer acreditar que tudo não passa de uma má fase, de um feitio difícil originado por qualquer trauma de vida.

Fui vítima de violência psicológica e  apesar de já terem decorrido 30 anos desde que fugi do meu agressor, as marcas que me deixou continuam abertas. Jamais me vou esquecer do quanto ele me aprisionou impedindo-me de voar, de ser “eu”. Confinada a viver dentro de uma “caixa” cuja chave só ele tinha, tudo me era imposto: a forma de falar, de agir, de vestir, de viver… Não me esqueço das humilhações na frente de todos, em qualquer lugar, em qualquer momento. Dos choros constantes. Dos sorrisos ausentes. Da dureza de viver. Era manipulada para não ser nada, e “morri” em vida. Quando o deixei no meio de uma coragem sem igual, renasci. Ao ponto de me tornar irreconhecível aos olhos de quem me viu.

Pôr um basta numa relação destas não é fácil. Mas também não é impossível. Exige muita coragem, determinação e resiliência. Há que ter presente que o agressor não vai desistir facilmente e que não aceitará um “não quero mais” com leveza. Usará da maior violência para exercer o seu sentimento de posse de “coisa” que ele pensa ser sua.

Mas no fim, por muito machucada que saia, ficará feliz por ter sobrevivido e verá que a vida, mesmo sozinha, é bela. Aprenderá que o amor maior é o seu por si e que por nada deste mundo deverá permitir que o destruam.

Cristina Miranda

Via Blasfémias

INVESTIGAÇÃO E INSTRUÇÃO

No mesmíssimo dia em que se discutiu o sorteio de um Juiz de Instrução para o “Processo Marquês”, fui notificado de que o Processo de Investigação 9381/10.7TDPRT tinha sido concluído e que decorria o prazo para me constituir como assistente, nos termos do artº 68º do CPPenal.

Mas que é isto?
Em dia de sorteio tão decisivo para o futuro do gamanço organizado, nada mais deveria ofuscar tão notável acontecimento.
Acontece que a notificação, esta que recebi, vem do Ministério Público – Procuradoria da República da Comarca do Porto e está datada de 18 de Setembro, o que torna ainda mais lamentável a tentativa de me distrair daquilo que mais me deveria interessar – o sorteio de um Juiz em Lisboa. Estou em crer que não terá sido de propósito que o MP do Porto fez coincidir a minha notificação em tal data, até porque ninguém poderia prever que, talvez devido à inesperada greve dos táxis, a notificação referida demoraria 10 dias para percorrer os 12 Km que distam da minha residência à Rua de Camões, 155 na Invicta.

Mas que é isto?
Também foi o que me perguntei a mim mesmo. É que nunca tinha recebido uma notificação do MP acompanhada de um DVD. E foi cheio de cuidados que carreguei no botão que abre o leitor de DVDs do meu HP pavilion de 2014, que tinha este extra ainda virgem. Com a delicadeza que essa qualidade merece, lá introduzi o objecto recebido e, suavemente o empurrei para a posição de leitura, naquela dúvida que sempre nos assola quando uma velharia é chamada a fazer o que foi feita para fazer: faz mesmo ou explode? Correu bem e fiquei a saber que tinha sido proferido um despacho relativo a um processo em que fui interveniente em 2010.

Mas que é isto?
2010? Sim, 18 de Maio de 2010. A minha filha Ana, fazia 15 anos nesse dia e eu, eu nunca me deveria esquecer da data. Mas um gajo não é de ferro e, de facto estava já completamente esquecido. Foi preciso o DVD do MP para mo recordar e estou-lhes, óbviamente, grato. Lembram-se de um grupo de ciganos, quer dizer, cidadãos de uma certa etnia, ter organizado um esquema tipo “Afia Tesouras”?

Mas que é isto?
“Afia Tesouras”? Não liguem. é um nome que inventei agora para um processo de investigação. Acho que lhe dá outro “elan”. É que em 2010 o MP ainda não tinha o gabinete de dar aqueles nomes de código giros aos processos. O “Afia tesouras”, hashtag #afiatesouras# era assim: Um cigano, ou dois não interessa, quer dizer, pessoas de uma certa etnia, chegavam a uma fábrica e perguntavam se não havia equipamentos de corte para afiar. Se obtivessem algum material, afiavam-no, e apresentavam a conta. Se a fábrica não pagasse chantageavam-na.
Simples!
Ora nesse belo dia, aparece um par de jovens (assim não preciso de de falar em etnias) na minha empresa e monta o esquema. A malta da manutenção, o João Carlos e o Nogueira, lá descobre uma serra circular, quatro fresas, seis brocas e uma tesoura, tudo material já devidamente separado para reciclagem e entregam-no para recuperação que foi feita quase de imediato e veio devolvida, acompanhada do, a princípio gentil, pedido de pagamento: 14 mil EUR. Ora isto gerou um impasse porque aquele material todo, em estado de novo, custava menos de mil EUR. De modo que houve ali uma ruptura negocial porque a minha malta não ficou convencida de que aquela recuperação, com tratamento a “perlimpimpim e tungsténio” faria as ferramentas durar até ao apocalipse. Os gajos abandonaram a empresa e foram chamar o patriarca, o Cuevas, como depois se apresentou. E foi aí que eu, como Presidente da empresa vim também a jogo e me inteirei da situação que era relativamente simples: ou pagávamos 14 mil EUR ou levávamos um “tiro nos cornos” – O João Carlos tinha 2 filhos pequenos, o Nogueira estava escalado para apitar jogos de basquete nesse fim-de-semana e eu, eu tinha a família e mais convidados em casa á espera para o jantar de aniversário da minha filha, como já disse. De modo que o “tiro nos cornos” não era a nossa opção favorita nesse dia e pagar era impossível. Lá conseguimos um adiamento de 24 horas e no dia a seguir, com o reforço da PSP de Matosinhos, o gang cessou a actividade que lhe tinha permitido extorquir mais de cinquenta empresas em cerca de 3 meses de “trabalho”.

Mas que é isto?
2018? Sim, ao fim de 8 anos, o MP conclui a investigação. É um DVD de 847 páginas que sintetiza um processo com mais de 12 mil folhas, com centenas de inquéritos, com autos de reconhecimento fotográfico e presencial, com cópias de cheques e extractos bancários, cópias de livretes de automóveis, de certidões judiciais de contumácia, o diabo a quatro e depoimentos testemunhais.
Um brinco! E em DVD!
Só espero que o advogado do gang Cuevas não se lembre agora de pedir a Instrução do Processo, com o respectivo sorteio de Juízes, de forma a assegurar que o julgamento esteja em condições de ser iniciado quando os crimes estiverem prescritos!