António Costa faz o que quer porque a direita deixa

O socialismo é uma doença que cujos sintomas iniciais se manifesta com pequenos retoques de prazer que tem sempre iniciação em trabalhos dos outros e acabam em bebedeira num bar, é assim a Economia portuguesa desde há 44 anos para cá: uma folha em branco onde todos querem escrever em linhas tortas e onde não há planeamento estratégico de longo prazo. O mesmo é dizer que o Partido Socialista sabe usar as fases ascendentes do ciclo económico a seu favor, não tendo feito o trabalho de fundo quando este inicia. Ao contrário da direita portuguesa, especialmente a liderada por Pedro Passos Coelho, esta sempre teve de carregar a cruz de ser a costureira mor do regime enquanto o PS se reagrupava e montava as mesmas tácticas de vitimização de sempre e, claro, sempre ao colo de determinada comunicação social.

Os efeitos nefastos deste ciclo são visíveis à direita e com um maior grau de amplificação por esta ter perdido o “norte”, por completo. A uniformização do regime, por parte de Costa, onde este joga em todos os cantos do tabuleiro do jogo chamando para si o cálice do poder e da negociação política, faz com que os eleitores olhem para Costa não como uma das alternativas, mas como “a”, alternativa. Aquele que não pode ser contestado nem incomodado por estar numa posição dominante e ser o dono completo do regime. Só assim se explica o quase beija mão do presidente da república ao primeiro-Ministro quando este o indigita sem saber os resultados eleitorais da emigração, algo que o professor de direito constitucional sabe e deixou passar ao lado. Só assim se explica a apatia do regime oligárquico perante o escândalo do lítio em que João Galamba tem relações e portanto o governo.

A direita deixou passar tudo isto. Falou. Mas não estruturou um ataque unido e conciso. Continua acantonada e refém, como não podia deixar de ser, de Pedro Passos Coelho que era consensual a liberais, conservadores, sociais democratas e democratas-cristãos. O institucionalismo, o rigor de actuação e a coragem deste perante a situação precária do País- perdoem me até a ligeireza do termo- nunca serão esquecidos, mas a ala não socialista tem que partir para uma corrida de longo curso e desta vez sem Passos. É difícil? Ninguém diz que não, há alguém melhor que ele? Muito dificilmente, sendo politicamente correcto. O ciclo  do ex-primeiro-ministro não terminou, muito pelo contrário, mas não há tempo.

A direita tem que ter um conteúdo programático liberal na economia. De reformas estruturais. De ideias e medidas frescas e inovadoras que os países bálticos e alguns de leste estão a implementar e que foram importantes para a recuperação a nível macroeconómico destes. A direita portuguesa tem que dar mais que a redistribuição do PS, que se esgota normalmente num horizonte temporal de dois anos ficando este depois a gerir com pinças um pântano orçamental de pequena dimensão que quintuplica de tamanho quando chega ás mãos dos outros.

O PSD, o CDS, o Iniciativa Liberal, o Chega e o Aliança não tem outra alternativa que não a união ou pelo menos trabalho conjunto e personalizado. O PSD e o CDS uma coligação eleitoral e os restantes um bloco de direita. Como queiram. O pragmatismo é primordial e os egos neste momento são desnecessários, no momento mais perigoso da democracia portuguesa pós-PREC. O Chega e o IL estão bem e recomendam-se, são uma clara alternativa ao socialismo cada um à sua maneira. O problema está no PSD  e num CDS cheios de vícios e que não se assumem de direita. O PSD encontrará o seu caminho, Rio está politicamente morto. O CDS tem um jovem que se chama Francisco Rodrigues dos Santos que tem a alma combativa e a estrutura ideológica que o CDS necessita e não de mais “sangue azul” de ocasião.

Um dos maiores presentes que Passos poderia receber neste momento é o descanso, que este merece. A direita tem essa obrigação para com ele. É respeito, mais do que isso até, é a capacidade de todos perceberem de uma vez que tivemos um político que não foi perfeito, longe disso, mas que tentou mudar as estruturas oligárquicas e rentistas aproximando Portugal dos seus parceiros europeus. Um patriota. Há pessoas que ainda não se aperceberam disso, até a própria direita.

Mauro Merali

Anúncios

Um comentário em “António Costa faz o que quer porque a direita deixa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s