Inferno especial

Nenhum comentário

Quando aparecer o primeiro sindicato em Portugal que proponha uma greve onde os meios de transporte substituam a paralisação pela não cobrança de bilhetes, teremos finalmente greves que afectam as empresas e o governo e vez de dar cabo da paciência aos utentes.

Esta semana escrevo do aeroporto Francisco Sá Carneiro no Porto à espera de embarcar para Lisboa. O voo está atrasado uma hora e meia. A greve nos comboios, iniciada na passada segunda-feira, afectou também os voos, a começar pela ponte aérea entre as duas cidades, com a maior parte dos bilhetes esgotados e o preço mais elevado que o habitual.

Os trabalhadores ferroviários realizaram a greve contra a possibilidade de circulação de comboios com um único agente. No primeiro dia, e segundo dados disponibilizados pela CP, a greve suprimiu 10 ligações internacionais (66%), 60 comboios regionais (72%), 114 comboios urbanos de Lisboa (98%) e 36 urbanos do Porto (72%).

O Sindicato Ferroviário da Revisão e Comercial itinerante indicou que a adesão à greve obrigou a uma paralisação de 90% dos comboios de mercadorias e de passageiros em todo o país, nas zonas urbanas de Lisboa atingiu os 100% e 95% no Porto.

Os sindicatos que convocaram a greve consideram que a circulação de comboios só com um agente põe em causa a segurança ferroviária de trabalhadores, utentes e mercadorias, e defendem que é necessário que não subsistirem dúvidas no Regulamento Geral de Segurança. Os ferroviários rejeitam alterações ao RGS com o objetivo de reduzir custos operacionais e consideram que a redação do mesmo, em discussão nos últimos meses, deixa em aberto a possibilidade de os operadores decidirem se colocam um ou dois agentes nos comboios. Reparem no “deixa em aberto”. E no que consiste essa falha na segurança? Ninguém sabe. São fornecidos números, dados, evidências? Parece que não é importante explicar.

Quando aparecer o primeiro sindicato em Portugal que proponha uma greve onde os meios de transporte substituam a paralização pela não cobrança de bilhetes, teremos finalmente greves que afectam as empresas e o governo em vez de dar cabo da paciência aos utentes.

Também aprecio quando os sindicatos convocam uma greve numa segunda-feira a seguir a um fim de semana prolongada como a dos comboios. Ou na véspera de Santos Populares na capital como a greve da Trastejo e Soflusa agendada para os próximos dias 11 e 12 de Junho. Deveria existir um inferno especial só para este tipo de decisões.

Ao tribunal arbitral a greve dos transportes fluviais ter sido precisamente convocada em dias de grande enchente e deslocação de pessoas entre Lisboa e a Margem Sul, não lhe pareceu importante e decretou não fixar serviços mínimos para o transporte de passageiros pelas empresas. Os passageiros têm duas pontes, autocarros e carros privados, bicicletas e patins, qual é o problema? E o que pretendem os sindicatos com a greve? “A valorização salarial dos trabalhadores da empresa.” Mas não estamos em tempos de pujança económica como nunca vista e os tempos de austeridade enterrados para sempre no passado?

Sofia Afonso Ferreira

Artigo Inicialmente Publicado no Jornal Económico

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s