PS: O Partido das Toupeiras e o Bruxo de Fafe

um comentário

As toupeiras, não confundir com outras coisas alheias à actividade política, escavam, fazem buracos, criam túneis, esburacam um campo inteiro se for preciso, tal como o Partido da Oligarquia mor em Portugal, o Partido que ora é Social Democrata ás Segundas, Quartas e Sextas e ora é Social Comunista ás Terças, Quintas  e Sábados sendo neutral em dias de incêndio ou catástrofes orçamentais variadas aos Domingos.

O PS é o apogeu perfeito de uma Toupeira mãe, balofa, com uns quilos a mais, mas a transbordar de gordura para o lado, fazendo por vezes ginástica mental e motora para deslocalizar tais maçãs de calorias localizadas para a frente abdominal em sinal de desespero, a táctica do empurra é sinónimo de PS e do PSD do passado que hoje renasce perante o manto fraudulento de Rui Rio, o Dom Sebastião sempre esperado, mas defraudado pelo seu socialismo interior que nada difere de António Costa.

O problema em questão, não é Manuel Pinho, são os vários Manueis Pinhos que o País produz quer pré-Democracia quer Pós-Democracia, os Pinhos do Estado Novo eram Pinheiros e mestres da propaganda, que ainda hoje conseguem que certa camada de Portugueses chorem por um Ditador, mais honesto que certos de facto, mas insuficiente para os tempos de hoje. Os Pinhos do Pós Democracia, são aqueles que promovem o rentismo das Empresas Oligarcas do Regime, os Pinhos do Regime, ou Sócratinhos, como queiram, são aqueles que da esquerda à direita cantaram os melhores versos de Sereia que tudo ia bem e não precisávamos de nos preocupar com reformas para futuro, hoje, pagamos a irresponsabilidade dos Pinhos da Política.

Portugal é como se fosse uma grande pocilga a céu aberto, onde todos armam esquemas, são invejosos, maquiavélicos, mas ninguém é capaz de pegar o touro pelos cornos, todos fogem, o cansaço da corrupção, das mentiras com flor na lapela, levam a que maioria dos Portugueses tenham desistido dos agentes políticos e de aturar o regime que os aventais criaram, este não é o Regime da liberdade que nos prometeram, é um Regime controlado pelos avençais de um Partido e em coligação com certos elementos socais democratas igualmente socialistas que querem o pote e ficam com ele.

O Regime da Liberdade era aquele em que eu tenho a liberdade individual, isto é importante, de eu descontar para uma conta individual privada para a minha reforma, e não pagar as reformas dos outros que estão já na reforma, o castelo de cartas vai ruir, mas continuando, o regime da Liberdade era eu poder escolher o Hospital, quer público ou privado, para onde quero ir, só os funcionários públicos podem, resultado? Excesso de Procura pelos serviços ineficientes do SNS e degradação dos indicadores de saúde a nível geral.

O Regime de Abril trouxe liberdade de expressão, mas não a “liberdade total”, a ditadura da dívida é hoje a maior ameaça à III República que, sem reformas, chegará ao fim. Ditadura da dívida essa criada pela irresponsabilidade da esquerda e pelos paliativos da direita, isto são os Pinhos de Portugal. Nem o Bruxo de Fafe resolve, esqueçam.

Mauro Oliveira Pires

Anúncios

1 comentário em “PS: O Partido das Toupeiras e o Bruxo de Fafe”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s