A Direita tem que estar unida contra a Troika fascista de Esquerda

2 comentários

O Comunismo dos nossos camaradas em Portugal é algo tremendamente peculiar, por um lado, os camaradas vestem-se com fatos todos janotas, feitos por meios de produção, logo capitalismo, por outro lado, os camaradas fumam, outro processo de produção efectuado por uma empresa capitalista. Como os camaradas gostam de se apresentar cheirosos perante a sua religião de carneiros, tem que tomar banho num chuveiro produzido por meios capitalistas. Como os nossos camaradas ainda tem de comunicar entre si, não vá o diabo tecê-las, então lá erguem o punho e a foice e tiram de lá o Iphone do bolso para começarem a praticar charadas por meios tecnologicamente capitalistas.

Já estamos habituados à hipocrisia dos canhotos vermelhos, eles e os seus amigos coadjuvantes mais à esquerda, o Partido das questões fracturantes, o Bloco das Catarinas, Joanas e Mortáguas,  podem isto tudo, criticam do seu pedestal onde ninguém lhes toca, insultam o capitalismo e bebem dele, comem dele e vestem-se dele, mas sinceramente nenhuma boa criatura já liga às toupeiras da nossa política. Mas devíamos ligar, porque a direita quando reclama eles dizem em voz apocalíptica que lhes caracteriza, que a direita não tem direitos, só tem deveres, ouvir e calar, eles podem comer  caviar e serem os intelectuais de Paris, a direita não presta e nem deve existir para os nossas camaradas estrábicos de esquerda.

A direita não liga, deixa passar, faz mal, porque quando defende alguma das questões fracturantes que conduzem à liberdade individual, seja do lado da eutanásia, casamento homossexual, isto devia ser a agenda normal do que é a política de costumes da direita, a esquerda faz com que este tipo de políticas seja seu, adquiriram o monopólio desta discussão, nacionalizaram, a direita ficou sem discurso, tudo por um simples facto, a direita tem vergonha quando não devia ter, o exemplo de Trump gostando dele ou não em diversas situações, é significativo, Trump é ele próprio goste-se ou não, faz-se de “Pândego” mas é estratega como se viu nesta questão das tarifas das importações de aço, onde Trump chegou onde queria, ou seja deitar abaixo a sua medida se a UE eliminar as suas Pautas para o resto do Mundo pelo menos no Aço e diversos.

A direita refugiou-se na cartilha, no fato e gravata, naquele discurso que dá sono até as Najas mais inquietas, isto em Portugal claro, a esquerda em toda a Europa é reduzida a pó, os Partidos Socialistas Europeus voltaram à sua insignificância de Partidos do Taxi, e a “direita liberal” ascende. Em Portugal continuamos a discutir situações utópicas, discussões que na Europa já se efectuaram no século passado, como se devíamos dar mais liberdade aos Municípios na Educação ou se devíamos desenvolver um sistema de saúde baseado no lado dos seguros como o Suiço, temas estas que se discutem a duodécimos aqui no rectângulo à beira mar queimado.

Com um Rui Rio, que não dura até ao natal, Assunção Cristas não tem um discurso poucochinho como o líder do PSD, Cristas chega-se à frente, sabe perfeitamente que o CDS pode não ultrapassar o PSD já nestas eleições, mas que para futuro, construindo bases, pode. A direita portuguesa tem que se reconfigurar, não só com novas caras, mas com gente competente, com provas dadas, não gente do mesmo “círculo” da amizade que nós já conhecemos. Precisamos igualmente de novos Partidos que acrescentem algo, e que atraiam o eleitorado abstencionista. Uma nova direita que faça coligações entre si, cresça e se una perante a Troika fascista de Esquerda.

A União tem que ter como base um programa liberal, sim, liberal, um plano que diminua o Estado, que o retire da frente de quem queira produzir, que se crie estabilidade e previsibilidade fiscal se queremos atrair investimento e criar emprego. Um plano para a dívida, não de défice zero, mas superávit porque com o stock de dívida que temos hoje estamos vulneráveis a choques externos. Um plano, sim, algo que a Troika de esquerda não tem, um Governo de navegação à vista onde se quer decidir o momento ideal para se saltar do barco.

O problema é, chegam-se à frente ou não?

Mauro Oliveira Pires

Anúncios

2 comentários em “A Direita tem que estar unida contra a Troika fascista de Esquerda”

  1. Mauro Pires obrigado por nos obsequiar com mais um dos seus tradicionais artigos de qualidade e de profundidade politica, para ver se os portugueses adormecidos, acordam de vez ou se preferem – se chegarem a acordar – sejam o escárnio de toda a esquerda das ditaduras. Possivelmente, com tamanho adormecimento ou mesmo ignorância, será isso que lhe poderá acontecer! Por isso na esquerda já se fala em acabar com militares e policias armadas. E aos poucos vão subtraindo (roubando) as que existem, como existiam em Tancos, para se armarem eles próprios. Aliás á semelhança de Maduro e de outros maduros, que ainda respiram o ar que não merecem!

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s