Centeno é mais um na roda dos favores

Nenhum comentário

O Ministro das Finanças pode, muito provavelmente, ser constituído arguido no caso que envolve a sua pessoa e família do Presidente do Benfica Luís Filipe Vieira. Se tal acontecer e parece que Centeno já o deu a entender, vai sair do cargo, se o fizer, o Ministro tem uma saída suja mas ao menos pode se orgulhar em não ter ido de férias para Palma de Maiorca nem se ter escondido atrás das saias da Constança. Centeno chegou ao Governo como alguém com ar de picareta, um bocado ou naturalmente trapalhão, mas o figurino enganou, Mário mostrou-se prontamente ser o Ministro mais político do Governo e o mais inteligente, quer na abordagem política quer na gestão da sua imagem face à Europa.

Centeno sabia que não podia levar à avante o programa de procura interna “total” e de choques Keynesianos de António Costa, como Ministro amarrado por cordas da extrema-esquerda e do próprio Governo seguiu, e bem, as recomendações Europeias de cortes conjunturais  e rápidos na despesa pública, colocou o investimento público em mínimos históricos, adiou pagamentos a fornecedores e lançou despesa para a dívida. Isto não foi consolidação orçamental estrutural, foi um prática de consolidação de poder interno, a curto prazo, para António Costa se aguentar ao máximo, esperar que alguém no PSD chegasse, daí tanta a pressão de Costa e Marcelo sobre Passos para que este saísse, para mais uma vez Costa naturalmente escolher o seu parceiro de acasalamento.

Os bons ventos da Europa e do Mundo sopraram a seu favor, uma Economia Portuguesa hoje mais aberta ao Mundo, mais Exportadora quer de bens quer de serviços, com o turismo a puxar a alavanca, em mistura com as reformas liberalizadoras de Passos Coelho no mercado de trabalho levaram o desemprego a níveis pré-Troika, mas com uma proporção alarmante de pessoas a ganharem o salário mínimo, especialmente apartir dos aumentos de salário mínimo deste Governo que em muito contribuíram para isso. Centeno saiu das trevas da CGD para entrar na roda do “sucesso” hoje é Presidente do Eurogrupo, vamos ver por quanto tempo, e é respeitado internacionalmente por um conjunto de burocratas que parece que não fazem contas.

As possíveis “ajudas”, “facilitismos”, de Centeno ao filho do Presidente do Benfica, reparem que quando for provado ai sim podemos acusar, estamos sempre no campo das suposições, mas conhecendo o historial do Presidente do Benfica, não confundir com a instituição que não tem culpa, é bem possível que tenha acontecido, pois para além de ter sido no passado sócio de Benfica, Porto e Sporting ao mesmo tempo, faliu um clube e é dos empresários mais endividados do País… E muito mais, paremos por aqui.

Quem conhece os meandros dos bastidores em Portugal sabe como as coisas funcionam, eles saltitam das fornadas das jotas bem esquematizados, chegam ao lugar de deputado, trabalham por conta própria também e muitas vezes prejudicam o Estado, saltitam entre grandes empresas e são amigos dos amigos que tem contactos. Pode isto não ter conexão com o caso de Centeno, mas tem, é o ambiente de podridão de Eça de Queiroz descrevia nos Maias, o nosso fado é esse mesmo, é a apatia de um povo que é ingénuo e ignorante em matérias fundamentais para conhecer os seus deveres de actuação, que depois se repercutem em más escolhas.

Donos-de-Portugal-mapa.jpg
Teia de interesses que o Estado Português promoveu ao longo dos anos, Fonte: RTP, documentário vídeo Jorge Costa onde mais de 100 anos de capitalismo de Estado e clientelismo construiu uma teia bem sucedida de poder.

Isto é Portugal, um País de interesses bem oleados, estruturados, entre famílias do regime, quando se fala é porque se incomoda, porque já era assim, depois querem que as taxas de abstenção diminuam. Se queremos avançar um passo no combate contra a promiscuidade entre a política de pacotilha e negócios da algibeira coloquemos os deputados em regime de exclusividade de funções, talvez aprendam que o interesse dos Portugueses estão à frente dos seus. Só para recordar, não gosto de Santana Lopes, mas este enquanto Primeiro-Ministro, caiu por muito menos. Talvez um dia nos olhemos ao espelho, e aí sim, vamos ver que continuamos provincianos.

Vejam este vídeo, quando tiverem paciência. Tremendamente interessante.

 

Mauro Oliveira Pires

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s