Da série:” Eu não tenho nada a ver com isto”

Verbas para combater incêndios caíram 9% com Governo de Costa

“A dotação do Ministério da Administração Interna para protecção civil e luta contra incêndios caiu cerca de 9% nos dois orçamentos do Estado da responsabilidade do Governo de António Costa, face à média anual do anterior Governo PSD/CDS.

No OE2017, o Governo inscreveu uma verba de 211 milhões de euros para esta rubrica e no anterior a verba tinha ficado em 208 milhões de euros. Na legislatura anterior, o Governo de Passos gastou em média 231 milhões de euros por ano com protecção civil e combate a incêndios, pelo que há uma queda em torno de 9% com a mudança de Executivo.”

Fonte: Jornal Económico

Depois ainda quer procurar responsáveis, que comece por si senhor Costa. Vamos cativar mais uma verbas para ver se isto melhora.

Anúncios

Um comentário em “Da série:” Eu não tenho nada a ver com isto”

  1. VAMOS PLANTAR UMA ÁRVORE EM MEMÓRIA DAS VÍTIMAS E EM DESAGRAVO DA NATUREZA!

    Proposta de iniciativas

    Esta é a hora da tristeza, da reflexão e do silêncio. A catástrofe de Pedrógão Grande poderá unir-nos, na solidariedade com a natureza, com as famílias e com os mortos; uma solidariedade integral pode despertar em nós energias reforçadas que também nos leve a plantar árvores por todo o país em desagravo pela natureza e como oração pelas pessoas vítimas do incêndio.
    Todos nós temos uma lágrima a derramar devido à maneira como temos tratado a natureza! Choremos e enterremos os mortos! Como povo, para que as nossas lágrimas não caiam em terra seca, esta seria a hora de todos plantamos árvores por todo o país! Esta seria uma forma concreta de reparação nacional e uma maneira de nos acordar para a gravidade da natureza ofendida! Quando ela sofre, sofremos todos; ela é a nossa casa e também nossa mãe e irmã! Vamos plantar uma árvore!

    UMA PROPOSTA PARA O CONCELHO ATINGIDO

    No concelho atingido pela catástrofe, a Câmara municipal poderia elaborar num lugar determinado, um monumento constituído por 64 árvores plantadas (lembrança dos mortos) e ao lado de cada árvore uma pedra como símbolo de algo que permanece (Árvores tradicionalmente bem portuguesas são o sobreiro, a oliveira (símbolo da paz) e o pinheiro).

    António da Cunha Duarte Justo
    (Presidente da ARCÁDIA – Associação de Arte e Cultura em Diálogo)
    Pegadas do Tempo, http://antonio-justo.eu/?p=4334

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s