Um Governo de Esquerdas a Governar à Direita

Se me dissessem em Outubro de 2015, quando Costa deu uma reviravolta aos resultados das eleições e juntou-se aos derrotados para fazer governo, que esta “coligação” passado quase dois anos, iria governar literalmente à direita, deixando cair todos os seus estandartes eleitorais, esmagando ideologias apregoadas por décadas, diria claramente que era impossível. Dou a  mão à palmatória! Está a ser inédita e brilhante esta actuação governativa que, ao contrário de muitos, a mim agrada-me imenso. Porquê? Ora, porque assim fazem menos asneirada… Óbvio!

Decidir governar à direita não terá sido uma opção fácil e louvo-lhes a espinha dorsal que tiveram de quebrar literalmente para se ajustarem como minhocas às novas ideologias. Partidos que fizeram do incremento ao investimento público e consumo privado  sua bandeira macroeconómica para derrubar o anterior executivo, prometendo por esta via o fim da austeridade, colocarem depois nos mínimos históricos, esta rubrica, em Portugal e UE, é obra!  Para não falar do controlo obsessivo do défice que foi muito além da Troika (onde foi que eu no passado ouvi isto?) e cujo o entusiasmo é tanto que até já querem chegar a 2020 superavit! Muito bom! E a vassalagem prestada aos banqueiros com as ajudas a “fundo perdido” à banca? Não eram eles que diziam que “nem mais um cêntimo” à banca apoiariam? Pois… Por acaso não foi um cêntimo. Foram milhões de euros.

Junta-se a isso  o Relatório do Grupo de Trabalho sobre a sustentabilidade da dívida de que fizeram parte o PS e o BE com a exclusão do PCP. Neste documento assumiram que são necessárias medidas de consolidação orçamental, que é preciso ajustar as politicas económicas e orçamentais para tornar a dívida pública sustentável, aceitaram que uma solução ao problema passa por uma negociação com Europa e BCE, dando como alternativa à resolução da dívida, uma extensão dos prazos de pagamento. Não é fantástico ver estas esquerdas a curvarem-se às regras dos tratados europeus deitando para o caixote de lixo o Manifesto dos 74 de que eram protagonistas?  Quem diria…

De facto, quando no passado esganiçavam-se pelo perdão da dívida, expeliam os bofes sempre que se referiam à política monetária do BCE, vê-los agora de mãos dadas com este projecto europeu chega a ser enternecedor. Porém, não nos podemos iludir. Isto  não passa de um jogo de poder. Porque o “lobo vestiu pele de cordeiro” para se encostar à sua vítima, o PS,  e conseguir coligar verdadeiramente como ele, retirando futuros dividendos, caso isso venha a acontecer, num  crescimento de poder e ocupação na máquina do Estado. Enquanto o PCP continua nesse sentido mais genuíno, estas minhocas do BE, muito astutas, não se importam de vender alma ao diabo, isto é, governar agora à direita,  para alcançar qualquer objectivo. E o objectivo é claramente tomar conta do poder. Não fosse isso, porque razão se subjugariam?

O mais irónico disto tudo é que agora, governar à direita é bom a ponto de nem sequer os sindicatos contestarem verdadeiramente esta posição na mudança de ideologias. Lançam apenas pequenos avisos suaves de que é preciso virar à esquerda novamente. Nada que abale esta “tranquilidade balofa” em que vivemos.

São os “tempos novos” onde vale tudo…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s